CUIDADOS E CUIDADORES

OS OUTSIDERS EM TERRITÓRIOS URBANOS MODERNOS E PÓS-MODERNOS

Autores

  • Keila Queiroz e Silva Universidade Federal de Campina Grande – UFCG

Palavras-chave:

Cuidadores, Estabelecidos, Outsiders, Territórios citadinos, Famílias natimortas

Resumo

Inspirada pela microhistória, bem como pela microsociologia, procurei dar visibilidade aos corpos cuidados e cuidadores dos porões da domesticidade na cena urbana. Recorri aos conceitos de estabelecidos e outsiders utilizados por Elias (2001) para analisar os papéis sociais e as relações intergeracionais entre os idosos, as crianças, os jovens e os adultos no cotidiano doméstico de famílias paraibanas. Neste cenário, os estabelecidos são os jovens hedonistas e os adultos produtivos que colam as suas identidades ao paradigma do trabalho, os outsiders são os que não têm vida pública, são os corpos que pulsam tempo lento e sentimento de domesticidade. O desprestígio dos corpos que precisam de cuidados tem se intensificado, bem como a sua solidão, esse abismo sígnico entre visíveis e invisíveis tem arruinado as vidas citadinas contemporâneas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Keila Queiroz e Silva, Universidade Federal de Campina Grande – UFCG

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba. Professora Adjunto I da Universidade Federal de Campina Grande. Professora do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH/UFCG) e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFCG).

Referências

ÁRIES, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1981.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. 5. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BARROS, Myriam Moraes Lins de. Autoridade e Afeto. Avós, filhos e netos na família brasileira. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1987;

BARROS, Myriam Moraes Lins de. Testemunho de vida: um estudo antropológico de mulheres na velhice. In: BARROS, Myriam Moraes Lins de (Org.). Velhice ou terceira idade? Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2004.

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2003.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e Ambivalência. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1999.

BAUMAN, Zygmunt. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2005.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2001.

BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade – Lembranças de velhos. 4. ed. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

BOFF, Leonardo. Saber Cuidar. Ética do Humano – Compaixão pela Terra. Petrópolis: Vozes, 1999.

BRETON, David Le. A sociologia do corpo. Petrópolis: Vozes, 2000.

CABRAL, Benedita E. S. L; et. al. Dossiê, Gênero e Família. Caderno CRH, Centro de Recursos Humanos, UFBA, Salvador, n. 3, 1998.

CABRAL, Benedita E. S. L. Recriar laços: estudo sobre idosos e grupos de convivência das classes populares paraibanas. 2002. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade de Campinas, Campinas, 2002.

CORAZZA, Sandra Mara. Infância e Educação – Era uma vez – quer que conte outra vez? Petrópolis: Vozes, 2002.

COSTA, Jurandir Freire. O vestígio e a aura: corpo e consumismo na moral do espetáculo. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

DEBERT, Guita Grin. A antropologia e o estudo dos grupos e das categorias de idade. In: BARROS, Myriam Moraes Lins de. (Org.). Velhice ou terceira idade? Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

DEBERT, Guita Grin. A reinvenção da velhice: socialização e processo de representação do envelhecido. São Paulo: Edusp / Fapesp, 1999.

ELIAS, Norbert. A solidão dos moribundos: seguido de envelhecer e morrer. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2001.

FEATHERSTONE, Mike. (Org.). Textos didáticos: antropologia e velhice. 2. ed. Campinas: IFCH/UNICAMP, 1998.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2000.

FREITAS, Marcos Cézar de. História Social da Infância no Brasil. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Memória, História, Testemunho. In: BRESCIANI, Stella; NAXARA, Márcia. (Orgs.). Memória e Res (sentimento): Indagações sobre uma questão sensível. São Paulo: Editora da Unicamp, 2001.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Cartografias do desejo. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

HAESTER, Audo. A demonstração pela dádiva – abordagens filosóficas e sociológicas In: MARTINS, Paulo Henrique. (Org.). A dádiva entre os modernos: discussão sobre os fundamentos e as regras do social. Petrópolis: Vozes, 2002.

HALBWACHS, Maurice. La mémoire collective. 2. ed. Paris: Presses Universitaires de France, 1968.

HEYWOOD, Colin. Uma História da Infância: da Idade Média à época Contemporânea. Porto Alegre: Artmed, 2004.

LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: O declínio do individualismo nas sociedades de massa. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 1998.

MORGUES apud MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: O declínio do individualismo nas sociedades de massa. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 1998.

MOTTA, Alda Brito da. Chegando pra idade. In: BARROS, Myriam Moraes Lins de. (Org.). Velhice ou terceira idade? Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

NARODOWSKI, Mariano. Adeus à Infância (e à escola que educava). In: SILVA, Luiz Heron da. (Org.). A Escola no Contexto da Globalização. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

ORTEGA, Francisco. Das utopias sociais às utopias corporais: identidades somáticas e marcas corporais. In: ALMEIDA, Maria Isabel Mendes de; EUGENIO, Fernanda. (Orgs.). Culturas Jovens: novos mapas do afeto. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2006.

PEIXOTO, Clarice. Entre o estigma e a compaixão e os termos classificatórios: velho, velhote, idoso, terceira idade. In: BARROS, Myriam Moraes Lins de. (Org.). Velhice ou terceira idade? Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

PEIXOTO, Clarice. Solidariedade familiar intergeracional. In: ARAÚJO, Clara; SCALON Celi. (Orgs.). Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

PRIORE, Mary del. História do amor no Brasil. São Paulo: Contexto, 2006.

RAMOS, Keila Queiroz e Silva. Os corpos enrugados e meus outros espelhos etários. 2008. Tese (Doutorado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2008.

ROUDINESCO, Elisabeth. A Família em Desordem. Tradução de André Telles. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2003.

SARTI, Cyntia Andersen. A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4. ed. 2. reimpr. São Paulo: EDUSP, 2006.

SINGLY, François de. Sociologia de família contemporânea. Tradução de Clarice Ellens Peixoto. Rio de Janeiro: FGU, 2007.

STEARNS, Peter N. A infância. São Paulo: Contexto, 2006.

SWAIN, Tânia Navarro. Velha? Eu? Auto-retrato de uma feminista. In: RAGO, Margareth; VEIGA-NETO, Alfredo (Orgs.). Figuras de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

TRIPOLI, Suzana Guimarães. A arte de viver do adolescente: a travessia entre a criança e o adulto. São Paulo: Arte e Ciência, 1998.

VITALE, Maria Amália Taller. Família: Redes, laços e políticas públicas. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

Downloads

Publicado

2012-12-14

Como Citar

Queiroz e Silva, K. . (2012). CUIDADOS E CUIDADORES: OS OUTSIDERS EM TERRITÓRIOS URBANOS MODERNOS E PÓS-MODERNOS. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 9(3), 1–15. Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/414