OEIRAS POR MEIO DAS CARTAS DE POSSIDÔNIO QUEIROZ

  • Francisco Alcides do Nascimento Universidade Federal do Piauí(UFPI)
Palavras-chave: Oeiras, Imagem, Cartas, Narrativa Historiográfica, Memória

Resumo

A cidade apresenta-se como desafio, problema a ser interpretado, compreendido como objeto de estudo; e, por ser também objeto de múltiplos saberes, discursos e olhares, a partir dela se constroem múltiplas imagens, que têm como suporte a arquitetura, a publicidade, a fotografia, o cartaz, o selo, a pintura, a literatura, correspondências. Isto para citar alguns dos registros com os quais o historiador trabalha em sua oficina. O presente artigo discorre acerca das cartas escritas em e sobre Oeiras (PI), na década de 1980, pelo intelectual Possidônio Queiroz. Para a construção do texto, destacamos o fato de Possidônio Queiroz ter cantado esta cidade em música, crônicas, discursos, conferências, saudações e cartas, e, mesmo assim, ter sido esquecido. Contudo, tendo em vista que a fonte “cartas” ainda não foi explorada, temos a pretensão de anunciar seu uso na construção da narrativa historiográfica para destacar as Oeiras de Possidônio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Alcides do Nascimento, Universidade Federal do Piauí(UFPI)

Doutor em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Atualmente é Professor Associado III da Universidade Federal do Piauí.

Referências

CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. Trad. Diogo Mainardi. São Paulo: Cia das Letras, 1990.

CANEVACCI, Massimo. A cidade polifônica: ensaio sobre a antropologia da comunicação urbana. São Paulo: Nobel, 1993.

CHAVES, Monsenhor. Obra completa. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves, 1998.

FERREIRA, Marieta de Moraes. História, tempo presente e história oral. In: Topoi. Rio de Janeiro, p. 314-332, 2002.

FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade e política. MOTTA, Manuel de Barros da (Org.). Trad. Elisa Monteiro, Inês Autran Dourado Barbosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FREITAS, Pedro Ferrer Mendes de. Solo distante (crônicas oeirenses). Teresina: Grafiset, 2001.

GOMES, Ângela de Castro. A guardiã da memória. Acervo-Revista do Arquivo Nacional. Rio de Janeiro, v. 9, n.1 e 2, p.17-30, jan.- dez. de 1996.

GOMES, Ângela de Castro. Escrita de si, escrita da História: a título de prólogo. In: Escrita de si, escrita da história. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Trad. Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.

MENESES DE, Ulpiano Toledo Bezerra. Entrevista concedida a Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 24, n. 48, jul.- dez de 2011, p. 422, 2011.

PROCHASSON, Christophe. Atenção: verdade. Arquivos privados e renovação das práticas historiográficas. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, n. 21, p. 105-118, jul. - dez. de 1998.

RÊGO, Expedito. Possidônio, o esquecido. In: Possidônio Queiroz. Teresina: Fundação José Elias Tajra, 1995.

REIS, José Carlos. O desafio historiográfico. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

SILVA, Conceição de Maria Freitas Tapety e. Apresentação. In: Possidônio Queiroz. Memória piauiense. Teresina: Fundação José Elias Tajra, 1995.

Publicado
2013-06-17
Como Citar
do Nascimento, F. A. . (2013). OEIRAS POR MEIO DAS CARTAS DE POSSIDÔNIO QUEIROZ. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 10(1), 1-20. Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/470