AS RELAÇÕES DE PODER EM O VERMELHO E O NEGRO

CRÔNICA DE UM SISTEMA EM MUTAÇÃO - UMA LEITURA INTERDISCIPLINAR A PARTIR DA LITERATURA

Palavras-chave: Literatura, Sistema Interestatal Capitalista, História e Geopolítica mundial

Resumo

No presente trabalho buscamos analisar aspectos da obra O Vermelho e o Negro que assinalam o final do século XVIII e o início do XIX como um período de profunda transformação do Sistema Interestatal Capitalista. A narrativa de Sthendal oferece importantes vestígios das alterações que se processaram na dinâmica das relações de poder na época e, consequentemente, na hierarquia de poder mundial. Acompanhando a trajetória do jovem protagonista Julien, pretendemos levantar algumas reflexões sobre possíveis mudanças sistêmicas introduzidas pela Revolução Francesa e pela figura de Napoleão Bonaparte. Além disso, através de uma perspectiva interdisciplinar, pretendemos contribuir com estudos que busquem caminhos alternativos para pensar a lógica de funcionamento do Sistema Mundial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 1971.

BALZAC, Honoré de. Como fazer a guerra: Máximas e pensamentos de Napoleão. Porto Alegre: L&PM, 2014.

BARBOSA, Marcelo. Notas Sobre o Realismo em O Vermelho e o Negro. 2008.

Disponível em: http://www.algoadizer.com.br/edicoes/materia.php?MateriaID=176

FIORI, J. Luís. O poder global. São Paulo: Boitempo, 2007.

HEGEL, G. W. F . Estética: o belo artístico e o ideal. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 2005.

HOBSBAWM, Eric. Las revoluciones burguesas. Madrid: Guadarrama. Vol.1, 1976.

SALIBA, Elias Thomé. As utopias românticas. 2ª ed. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.

STENDHAL. O vermelho e o negro. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

Publicado
2017-12-05
Como Citar
Brozoski, F. P. de C. . (2017). AS RELAÇÕES DE PODER EM O VERMELHO E O NEGRO: CRÔNICA DE UM SISTEMA EM MUTAÇÃO - UMA LEITURA INTERDISCIPLINAR A PARTIR DA LITERATURA. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 14(2). Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/483