O ACAMPAMENTO CORAGEM E OS IMPACTOS GERADOS PELA USINA HIDRELÉTRICA DE ESTREITO (MA)

NARRATIVAS E RESISTÊNCIAS

  • Laylson Mota Machado Universidade Federal do Tocantins - UFT
  • Rejane Cleide Medeiros de Almeida Universidade Federal do Tocantins – UFT
Palavras-chave: Desterritorialização, Acampamento Coragem, Usina Hidrelétrica de Estreito

Resumo

Este artigo analisa a percepção dos moradores do Acampamento Coragem, em relação aos impactos sofridos com a instalação da Usina Hidrelétrica de Estreito (MA). Busca evidenciar a visão dos ribeirinhos em relação aos impactos socioespaciais dos empreendimentos, considerando os conflitos ocasionados com a instalação da barragem na comunidade. Explora a compreensão das formas de organização social e política dentro de um acampamento, assim como identifica os problemas enfrentados pelas famílias atingidas durante a implantação da usina e após sua construção. A pesquisa é de natureza qualitativa, com observação participante e aplicação de entrevistas semiestruturadas. Os resultados apontaram que o sistema capitalista tem reproduzido as desigualdades sociais em nossa sociedade. Este trabalho contribui para a reflexão acerca das diferentes análises sobre as formas de desenvolvimento reproduzidas pelo Estado, como a ressignificação sobre territórios e seus processos de migração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BENINCÁ, Dirceu. Energia & Cidadania: a luta dos atingidos por barragens. São Paulo: Cortez, 2011.

HAESBAERT, Rogério. Da desterritorialização à multiterritorialidade. Boletim Gaúcho de Geografia, v. 29, p. 11–24, 2003.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” a multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2016.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom; RIBEIRO, Suzana L. Salgado. Guia prático de história oral: para empresas, universidades, comunidades, famílias. São Paulo: Ed. Contexto, 2011.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

NOBREGA, Renata da Silva. Os atingidos por barragens: refugiados de uma guerra desconhecida. InRev. Inter. Mob. Hum. Brasília, ano XIX, n. 36, p. 125-143, jan./jun. 2011.

ROCHA, Judite da. Usina Hidrelétrica de Estreito e desterritorialização: impactos sobre a saúde e resistência das famílias atingidas. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) Rio de Janeiro, Fundação Oswaldo Cruz, 2016.

SANTOS, Alisson Almeida; SIEBEN, Airton. Hidreletricidade e des-re-territotialização: uma análise a partir no reassentamento Mirindiba localizado no município de Araguaína-TO. Revista Tocantinense de Geografia, Araguaína, TO, ano 03, n. 1, p. 1-10, jan./jun. 2014.

SIEBEN, Airton. Estado e Política Energética: a desterritorialização da comunidade rural de Palmatuba em Babaçulândia (TO) pela Usina Hidrelétrica Estreito. Uberlândia, MG: UFU. Tese (Doutorado em Geografia) Uberlândia, Universidade Federal de Uberlândia, 2012.

VALLADARES, Lícia. Os dez mandamentos da observação participante. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 22, p. 153-155, 2007.

Publicado
2020-08-14
Como Citar
Machado, . L. M. ., & Almeida, R. C. M. de . (2020). O ACAMPAMENTO CORAGEM E OS IMPACTOS GERADOS PELA USINA HIDRELÉTRICA DE ESTREITO (MA): NARRATIVAS E RESISTÊNCIAS. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 17(1), 137-155. https://doi.org/10.35355/0000047