CONTAR HISTÓRIAS

UMA FORMA DE RECONHECIMENTO DO OUTRO

  • Cleria Botelho da Costa Universidade de Brasília – UNB
Palavras-chave: Contar história, Tradição, Memória subterrânea

Resumo

O propósito deste artigo é refletir sobre o contar histórias enquanto uma tradição oral legada por nossos ancestrais e que se apresenta envolta no manto da memória, logo tangenciada por diferentes temporalidades. Visa ainda compreende-lo enquanto um discurso dialógico que encerra múltiplas vozes, plenas de significações e que possibilita visibilidade ao outro. Utiliza como argumento a compreensão de que as narrativas quando silenciadas podem transfigurar-se em memórias subterrâneas, que possibilitam a exclusão social.  Metodologicamente, foi elaborado a partir de informações históricas e com a utilização de algumas entrevistas de história oral. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleria Botelho da Costa, Universidade de Brasília – UNB

Professora do Programa da Pós-Graduação em Historia da Universidade de Brasília.

Referências

ASSIS, Machado. Contos 3. Rio de Janeiro: Agir, 1970.

ARENDT, Hannah. A vida do espírito. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1995.

BAKHTIN, Michael. Marxismo e Filosofia da linguagem. São Paulo, Hucitec, 2004.

BENJAMIN,Walter. O narrador. In: Em obras escolhidas v. I , São Paulo, Brasiliense, 1989.

CASCUDO, Câmara. Literatura Oral no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1984.

COSTA, Cleria Botelho. Memorias compartilhadas: os contadores de história.: IN: BOTELHO; MAGALHÃES (Orgs.). Contar história, fazer história. Brasília: Paralelo 15 editores, 2002.

GALAND, Antoine. As mil e umas noites. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

GOLZIO Durval. Exclusão informativa: representação e representatividade dos negros e afro-descendentes nas capas da revista Veja. In: Actas do III SOPCOM, VI LUSOCOM e II IBERO, vol. III, Lisboa, 2004.

LORENÇO, Erika; DESLANDS, Keila. (Orgs.). Por uma Cultura dos Direitos Humanos na Escola: princípios, meios e fins. Belo Horizonte: Fino Traço. 2012.

NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência. Paris: Gallimard,1950.

PLATÃO. Teeteto. In: PLATÃO: Diálogos de Platão. Belém: UFPA, 2001.

POLLAK, Michael. História, Memória e Esquecimento. IN: Estudos Históricos, FGV, Rio de Janeiro,1989.

ROSENFELD, Anatol. Literatura e Personagem. In: CÂNDIDO, Antonio ( Org.). A Personagem de Ficção. São Paulo: Perspectiva , 2011

Publicado
2014-12-15
Como Citar
Botelho da Costa, C. . (2014). CONTAR HISTÓRIAS: UMA FORMA DE RECONHECIMENTO DO OUTRO. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 11(2), 1-12. Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/590