A MÍSTICA DAS PLANTAS, BEBIDAS E ALIMENTOS NO BRASIL COLONIAL

  • Maria Betânia B. Albuquerque Universidade do Estado do Pará - UEPA
Palavras-chave: História, Alimentação, Relações de Poder, Brasil Colônia

Resumo

Trata-se o presente artigo de uma análise sobre os diversos significados que as plantas, bebidas e alimentos assumiam no Brasil colonial, bem como das relações de poder que os perpassavam. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa histórica baseada nos relatos de cronistas e viajantes, bem como nas cartas de padres jesuítas e de outras ordens que, ao andarem por estas paragens nos séculos XVI e XVII, descreveram o cotidiano dos primeiros habitantes e suas impressões sobre a fartura da terra e dos alimentos. Com base nos pressupostos da história cultural, em particular da história da alimentação, procura-se evidenciar a ambiguidade e complexidade com que eram vistos os alimentos no Brasil colonial, destacando suas dimensões místicas.  Vistas como alimento, remédio ou veneno, plantas, comidas e bebidas possuiam forte carga simbólica, além de serem práticas atravessadas por fortes relações de poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Betânia B. Albuquerque, Universidade do Estado do Pará - UEPA

      Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Pós-Doutora pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (CES-Portugal). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Pará (UEPA)

Referências

ABBEVILLE, Claude. História da Missão dos padres Capuchinhos na ilha do Maranhão e terras circunvizinhas. Tradução de Sérgio Milliet. Brasília: Edição do Senado Federal, 2008.

AGNOLIN, Adone. O apetite da antropologia, o sabor antropofágico do saber antropológico: alteridade e identidade no caso Tupinambá. São Paulo: Humanitas, 2005.

ANCHIETA, José de. Carta do irmão José, que escreveu do Brasil aos padres e irmãos da Companhia de Jesus em Portugal (1555). In: HUE, Sheila Moura (Org.). Primeiras Cartas do Brasil (1551-1555). Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

ANCHIETA, José de. Textos históricos. São Paulo: Loyola, 1989.

ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas. São Paulo: Edusp, 2007.

CASCUDO, Luis da Câmara. Prelúdio da Cachaça. São Paulo: Global, 2006.

ESCOHOTADO, Antônio. História elementar das drogas. Lisboa: Antígona, 2004.

ÉVREUX, Yves d’. Continuação da história das coisas mais memoráveis acontecidas no Maranhão nos anos 1613 a 1614. Tradução de César Augusto Marques. Brasília: Edições do Senado Federal, 2007.

FERNANDES, João Azevedo. Guerreiros em transe. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, ano 1, n. 4, p. 52 – 57 , 2005.

FERNANDES, João Azevedo. Selvagens bebedeiras: Álcool, embriaguez e contatos culturais no Brasil colonial. 2004. Tese (Doutorado em história) - Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal Fluminense, 2004.

FLANDRIN, Jean-Louis; MONTANARI, Mássimo. História da Alimentação: dos primórdios à Idade Média. 2 ed. Tradução de Maria da Graça Pinhão. Lisboa: Terramar, 2008.

GANDAVO, Pero de Magalhães. Tratado da terra do Brasil; história da província Santa Cruz, a que vulgarmente chamamos Brasil. Brasilia: Editora do Senado Federal, 2008.

HUE, Sheila Moura (Org.). Delícias do descobrimento: a gastronomia no século XVI. Rio de Janeiro: Zahar. 2008.

HUE, Sheila Moura (Org.). Primeiras Cartas do Brasil (1551-1555). Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

LAPA, José Roberto do Amaral (Org.). Livro da Visitação da Santo Ofício da Inquisição ao Estado do Grão-Pará (1763-1769). Petrópolis: Vozes, 1978.

LÉRY, Jean de. Viagem à Terra do Brasil. Tradução e notas de Sérgio Milliet. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da USP, 1980.

MESGRAVIS, Laima. O Brasil dos séculos XVI e XVII. São Paulo: Contexto, 1989.

NÓBREGA, Padre Manuel da. Informações das partes do Brasil (aos padres e irmãos da Cia. de Jesus em Coimbra). In: HUE, Sheila Moura (Org.). Primeiras Cartas do Brasil [1551-1555]. Tradução, introdução e notas de Sheila Moura Hue. Rio de Janeiro: Zahar. 2006.

PLATÃO apud ESCOHOTADO, Antônio. História elementar das drogas. Lisboa: Antígona, 2004.

SOLER, Jean. As razões da Bíblia: regras alimentares hebraicas. In: FLANDRIN, Jean-Louis; MONTANARI, Mássimo. História da Alimentação: dos primórdios à Idade Média. 2 ed. Tradução de Maria da Graça Pinhão. Lisboa: Terramar, 2008.

SOUZA, Gabriel Soares de. Tratado descritivo do Brasil em 1587. Belo Horizonte: Itatiaia, 2000.

SOUZA, Laura de Mello. O diabo e a terra de Santa Cruz: Feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. 9 ed. São Paulo: Cia das Letras, 2005.

ROCHE, Daniel. História das coisas banais: nascimento do consumo nas sociedades tradicionais (XVII-XIX). 2 ed. Tradução de Telma Costa. Lisboa: Editorial Teorema, 1998.

THEVET, André. As singularidades da França Antártica. Tradução de Eugênio Amado. Belo, Horizonte: Editora Itatiaia; São Paulo: Editora da USP, 1978.

VAINFAS, Ronaldo (Org.). Dicionário do Brasil colonial: 1500-1808. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.

Publicado
2014-12-15
Como Citar
B. Albuquerque, M. B. . (2014). A MÍSTICA DAS PLANTAS, BEBIDAS E ALIMENTOS NO BRASIL COLONIAL. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 11(2), 1-22. Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/603