DA CRÍTICA E DA MORTE

OS PROCEDIMENTOS DE SABER SOB O FOGO DA ESCRITA

Palavras-chave: O morto vestido para um ato inaugural, Durval Muniz de Albuquerque Júnior

Resumo

A escrita elegante, a ironia por vezes direta, a segurança teórica, essas são algumas das marcas dos trabalhos do historiador Durval Muniz de Albuquerque Júnior, que tem feito importantes intervenções em diversas áreas do campo historiográfico, como a teoria da história e a historiografia, a história dos espaços e das identidades espaciais, do gênero e, ultimamente, das categorias do folclore e da cultura popular. O mais recente livro de Durval, “O morto vestido para um ato inaugural” – grafado assim mesmo com aspas, para fazer referência ao trecho do poema de João Cabral de Melo Neto que inspira o título –, é como que o coroamento de suas recentes pesquisas sobre a obra dos folcloristas e sobre as operações políticas, epistemológicas e culturais efetuadas por essas figuras de saber. Depois de uma série de artigos e de um livro anterior sobre a temática, 2 o historiador se detém, neste volume, sobre oito procedimentos específicos de tais estudos, de acordo com os quais são organizados os capítulos, a saber: a escrituração, a atribuição de autoria, a territorialização, a classificação, a historicização, a censura, a urbanização e a folclorização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elson de Assis Rabelo, Universidade Federal do Vale do São Francisco – UNIVASF

Doutorando em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Professor da Universidade Federal do Vale do São Francisco.

Referências

ALBERTI, Verena. “Narrativas pregnantes” como “jogos de linguagem”: possibilidades da história oral à luz da teoria da Linguagem de Wittgenstein. História Oral, Rio de Janeiro: Associação Brasileira de História Oral, v. 11, n. 1-2, Jan-Dez. 2008.

ALBUQUERQUE JR., Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. 3. ed. São Paulo / Recife: Contexto / FJN, 2006.

ALBUQUERQUE JR., Durval Muniz de. “O morto vestido para um ato inaugural”: procedimentos e práticas dos estudos de folclore e de cultura popular. São Paulo: Intermeios, 2013.

ALBUQUERQUE JR., Durval Muniz de. Violar memórias e gestar a História. In: História: a arte de inventar o passado. Bauru: EDUSC, 2007. p. 199-209.

BARBERO-MARTÍN, Jesús. Dos meios às mediações. Comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2003.

BELMONT, Nicole. O Folclore reprimido, ou as seduções do arcaísmo. (Tradução de Céline Spinelli). Enfoques, Revista dos alunos do PPGSA-UFRJ, v.10, n. 1, p. 137-144, Maio 2011. Disponível em: http://www.enfoques.ifcs.ufrj.br/~enfoques/

CLIFFORD, James. Sobre a autoridade etnográfica. In: A experiência etnográfica. Antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Imagens apesar de tudo. Lisboa: KKYM, 2012.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. Morte da memória, memória da morte. In: Sete aulas sobre linguagem, memória e história. Rio de Janeiro: Imago, 2005.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Vendo o passado: representação e escrita da história. Anais do Museu Paulista, São Paulo. n. sér. v. 15, n. 2, p. 11-30, Jul-Dez. 2007.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Fontes visuais, cultura visual, história visual. Balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História, São Paulo: ANPUH/HUMANITAS, v. 23, n. 45, p. 17, jul. de 2003.

ODIN, Roger. Filme documentário, leitura documentarizante. Significação, São Paulo: USP, ano 39, n. 37, 2012.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Reflexões sobre a memória, a história e o esquecimento. In: (Org.). História, memória, literatura. Campinas: UNICAMP, 2003.

Publicado
2014-12-15
Como Citar
de Assis Rabelo, E. . (2014). DA CRÍTICA E DA MORTE: OS PROCEDIMENTOS DE SABER SOB O FOGO DA ESCRITA. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 11(2), 1-9. Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/626