“REMETO POR ORA HUM CAIXOTINHO”

AS CURIOSIDADES DA AMÉRICA PORTUGUESA NAS CARTAS DO VICE-REI 2º MARQUÊS DO LAVRADIO

Palavras-chave: Cultura Escrita, História Natural, Vice-Rei 2º Marquês Do Lavradio

Resumo

Os impérios ultramarinos impulsionaram grandes mobilidades humanas, de saberes e de curiosidades. Com isso, o governo a distância demandou uma imensa produção escrita, especialmente, de cartas. O objetivo deste texto será perpassar os estudos de história natural no século XVIII, no espaço da América portuguesa, através do intercâmbio epistolar entre D. Luís de Almeida, 2º marquês do Lavradio (vice-rei do Brasil de 1769 a 1779), e Pedro José de Noronha, marquês de Angeja. Assim, esta troca de cartas será analisada através da história social da cultura escrita, nos interessando as cousas curiosas que Lavradio relatou e enviou a Angeja, junto da fundação da Academia Científica do Rio de Janeiro em 1772.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALGRANTI, Leila Mezan. Famílias e vida doméstica. In: SOUZA, Laura de Mello e (Org.) História da vida privada no Brasil: cotidiano e vida privada na América portuguesa. São Paulo: Cia das Letras, 1997. v. I

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Nem o tempo, nem a distância: correspondência entre o Morgado de Mateus e sua mulher, D. Leonor de Portugal (1757-98). Lisboa: Aletheia, 2007.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario Portuguez & Latino, aulico, anatomico, rchitectonico (…). Coimbra, 1712 – 1728. p. 643. Dicionário digitalizado e disponível em www.ieb.usp.br

CASTILLEJO, Juan Pérez de Valenzuela. Nuevo estilo y formulario de escribir cartas misivas y responder a ellas. 1747. f 2v.

CONCEIÇÃO, Adriana Angelita da. A prática epistolar moderna e as cartas do Vice-Rei D. Luís de Almeida, o marquês do Lavradio: Sentir, Escrever e Governar, 1768-1779. São Paulo: Alameda, 2013.

CONCEIÇÃO, Adriana Angelita da. “Aqui se abre hum largo theatro ao engenho do Secretário principiante”: a escrita de cartas segundo Francisco J. Freire (Portugal – Séc. XVIII). História Revista, Goiânia, v.15, pp. 13-29, 2010.

ELLIOTT, J. H. A Espanha e a América nos séculos XVI e XVII. In: BETHELL, Leslie (Org.). História da América Latina. América Latina Colonial. São Paulo: EDUSP; Brasília: Fundação Alexandre Gusmão, 1998. p. 287. v. I

GÓMEZ, Antonio Castillo. “Me alegraré que al recibo de ésta..”. Cuatrocientos años de prácticas epistolares (siglos XVI a XIX). Manuscrits – Revista d’història moderna – Universitat Autònoma de Barcelona, Barcelona, n. 29, pp. 19-50, 2011.

GÓMEZ, Antonio Castillo. Historia de la cultura escrita: ideas para el debate. Revista Brasileira de História da Educação, Maringá, n. 5, jan – jun, p. 108, 2003.

HEYNEMANN, Cláudia Beatriz. História e história natural: a escrita da época moderna. In: XXII Simpósio Nacional de História, 2003, João Pessoa. Anais do XXII Simpósio Nacional de História. João Pessoa, 2003 . p. 7.. Disponível em: http://anpuh.org/anais/wp-content/uploads/mp/pdf/ANPUH.S22.139.pdf. Acesso em 15 de junho de 2014.

MARQUES, Adílio J.; FILGUEIRAS, Carlos A. L. O químico e naturalista luso-brasileiro Alexandre Antonio Vandelli. Química Nova, São Paulo, vol. 32, n. 90, 2009.

MARQUES, Vera Regina Beltrão. Escola de homens de ciências: a Academia Científica do Rio de Janeiro, 1772-1779. Educar, Curitiba, n. 25, p. 43, 2005.

MARTINS, Ana Canas Delgado. Governação e Arquivo. D. João VI no Brasil. Lisboa: Instituto do Arquivos Nacionais/Torre do Tombo, 2007.

MEGIANI, Ana Paula Torres. Contar coisas de todas as partes do mundo: as Relaciones de Sucesos e a circulação de notícias escritas no período filipino. In: ALMEIDA, Suely C. C. de; SILVA, G. C. de M.; RIBEIRO, Marília de A. (Orgs). Cultura e sociabilidades no mundo atlântico. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012.

MEGIANI, Ana Paula Torres. Das palavras e das coisas curiosas: correspondência e escrita na coleção de notícias de Manuel Severim de Faria. Revista Topoi, Rio de Janeiro, v. 8, p. 24-47, 2007.

MELLO, Evaldo Cabral de. Olinda restaurada: guerra e açúcar no Nordeste, 1630-1654. Rio de Janeiro: Forense Universitária; São Paulo: EDUSP, 1975.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Casamento, celibato e reprodução social: a aristocracia portuguesa nos séculos XVII e XVIII. Análise Social. Revista do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, Lisboa, v. 28, n. 123-124, p. 921-950, 1993.

OLIVAL, Fernanda. As ordens militares e o Estado Moderno: Honra, Mercê e Venalidade em Portugal (1641-1789). Lisboa: Estar, 2001.

REIS, Paulo César dos. Ciência e Saberes no Rio de Janeiro setecentista: o caso da academia científica do Rio de Janeiro (1771-1779). Selo Verde, 2010. Disponível em: http://pt.calameo.com/read/00154101295bdf8ebd71a. Acesso em 15 de junho de 2014.

RUSSELL-WOOD, Anthony Jonh R. Um mundo em movimento: Os portugueses na África, Ásia e América (1415-1808). Tradução de Vanda Anastácio. Lisboa: Difel, 1998.

SARMIENTO, Martín. El porque sí y porque nó, del P. Martín Sarmiento: satisfacción crítico-apologética de su conducta. Madrid, 1758.

SALINAS, Pedro. El defensor. Madrid: Alianza Tres, 1983.

SILVA, Ana Rosa Cloclet da. A Formação do homem-público no Portugal setecentista: 1750-1777. Revista Intellectus, Rio de Janeiro, v. II, ano 02, 2003.

WEHLING, Arno. O fomentismo português no final do século XVIII: doutrinas, mecanismos, exemplificações. Revista do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 316, jul-set, 1977.

Publicado
2015-12-21
Como Citar
Conceição, A. A. da. (2015). “REMETO POR ORA HUM CAIXOTINHO”: AS CURIOSIDADES DA AMÉRICA PORTUGUESA NAS CARTAS DO VICE-REI 2º MARQUÊS DO LAVRADIO. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 12(2). Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/734
Seção
Artigos