NA CIDADE E NO TEMPO

SLPEEN E IDEAL NA POESIA DE MOACYR FÉLIX

Palavras-chave: Moacyr Félix, Tempo, Slpeen, Ideal, Utopia

Resumo

O presente artigo apresenta uma leitura preliminar e aproximativa da obra poética de Moacyr Félix, buscando identificar alguns conflitos que marcam a condição do poeta moderno. Tomando como premissa a hipótese de que a poesia moderna se dá no conflito entre a consciência histórica e o desejo de escapar à historicidade, intenta-se explorar em alguns poemas o que seria o confronto entre Spleen e Ideal, ou seja, entre uma percepção da realidade como decadência, impossibilidade da experiência, e a utopia, na tentativa de representar, e/ou nomear, a vida no que seria sua plenitude: a liberdade, que, através do amor, realizaria o encontro do indivíduo consigo mesmo, com os demais indivíduos e com o mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? Chapecó: Argos, 2009.

AGAMBEN, Giorgio. Infância e História. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

AGAMBEN, Giorgio. A Ideia de Prosa. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

AGAMBEN, Giorgio. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas II. Rua de Mão Única. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas III. Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BENJAMIN, Walter. Capitalismo como Religião. Revista Garrafa 23, UFRJ, jan-abr. 2011.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Cia. das Letras, 1986.

BLOCH, Ernst. O Princípio Esperança. Rio de Janeiro: UERJ; Contraponto, 2005.

CROSBY, Alfred. A Mensuração da Realidade. São Paulo: UNESP, 1999.

FÉLIX, M. O pensar e o sentir na obra de Moacyr Félix. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

MOACYR Félix. Entrevista a Ruth Silver, Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 18 nov. 1956. In: FÉLIX, M. O pensar e o sentir na obra de Moacyr Félix. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

FÉLIX, Moacyr. O pão e o vinho. Rio de Janeiro: Antunes & Cia., 1959.

FÉLIX, Moacyr. Em Nome da Vida. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

FÉLIX, Moacyr. Canção do Exílio Aqui. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

FÉLIX, Moacyr. Um Poeta na Cidade e no Tempo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

FÉLIX, Moacyr. Antologia Poética. Rio de Janeiro: José Olympio, 1993.

FÉLIX, Moacyr. Introdução a Escombros. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

FÉLIX, Moacyr. Neste Lençol. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

GADAMER, Hans-George. O Problema da Consciência Histórica. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Sete Aulas Sobre Linguagem, Memória e História. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

HÖLDERLIN, Friedrich. Poems of Friedrich Hölderlin. San Francisco: Ithuriel´s Spear, 2004.

LE GOFF, Jacques. Para um Novo Conceito de Idade Média. Lisboa: Estampa, 1979.

LIMA, Carlos. Poesia e Utopia em Moacyr Félix. Revista Letras & Letras, v. 21, n. 2, 2005.

LUCÁKS, George. A Teoria do Romance. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000.

MATOS, Olgária. Um Surrealismo Platônico. In: NOVAES, Adauto (Org.). Poetas que pensaram o mundo. São Paulo: Cia. das Letras, 2005.

MATOS, Olgária. Discretas Esperanças. São Paulo: Nova Alexandria, 2006.

MÉSZÁROS, István. O Desafio e o Fardo do Tempo Histórico. São Paulo: Boitempo, 2007.

PAZ, Octavio. Os Filhos do Barro. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

PAZ, Octavio. O Ogro Filantrópico. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1989.

RILKE, R. M. Poemas. São Paulo: Cia. das Letras, 2012.

SANTOS, Myriam Sepúlveda dos. Memória Coletiva & Teoria Social. São Paulo: Annablue, 2003.

SEVCENKO, Nicolau. A Corrida para o Século XXI. São Paulo: Cia. das Letras, 2001.

SOARES, Jorge Coelho. Sobrevivendo como vaga-lumes. In: EWALD, A. P.; SOARES, J. C.; SEVERIANO M. F. V.; AQUINO, C. B. (Orgs.) Tempo e Subjetividades: perspectivas plurais. Rio de Janeiro: 7 Letras; Pequeno Gesto, 2013.

SOARES, J. C.; EWALD, A. P. Reflexões à sombra de Adorno. Revista Nomadas, Universidade Complutense de Madri, Número Especial, 2004.

ŽIŽEK, Slavoj. Primeiro como tragédia, depois como farsa. São Paulo: Boitempo, 2011.

ŽIŽEK, Slavoj. Bem-Vindo ao Deserto do Real. São Paulo: Boitempo, 2003.

Publicado
2015-12-21
Como Citar
Nunes, D. C. . (2015). NA CIDADE E NO TEMPO: SLPEEN E IDEAL NA POESIA DE MOACYR FÉLIX. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 12(2). Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/736
Seção
Artigos