“EU SINTO QUE ESSA VIDA JÁ ME FOGE”

A PEDAGOGIA DOS ESPAÇOS NAS TESSITURAS DE SINHAZINHA WANDERLEY

  • Roberg Januário dos Santos Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará – UNIFESSPA
  • Iranilson Buriti Universidade Federal de Campina Grande – UFCG
Palavras-chave: Magistério, Espaço, Assu

Resumo

Educar ou praticar atividades de cunho pedagógico não se resume apenas ao exercício da docência em sala de aula. O ato de ensinar e suas formas são manifestados também em outras ocasiões e circunstâncias, como ensinar a amar uma cidade, educar os mais novos para que aprendam a valorizar vivências de outro tempo, cultivar nas gerações o reconhecimento de posturas, concepções e modos de fazer e dizer uma espacialidade. É assim que este propõe, a partir dos pressupostos da histórica cultural, estudar a trajetória da professora e poetisa Maria Carolina Wanderley Caldas (Sinhazinha Wanderley), nascida em 1876 na cidade do Assú, no Rio Grande do Norte, pertencente à família de destaque na cena social assuense: Wanderley. Ela foi professora do Grupo Escolar Tenente Coronel José Correia, em Assú, no qual introduziu novas atividades pedagógicas tidas como modernas à época, a exemplo de atividades lúdicas, músicas, poesias, entre outras. Exerceu suas atribuições docentes por mais de quatro décadas no cenário educacional assuense. Todavia, o domínio da escrita e da leitura proporcionou a Sinhazinha Wanderley não só o exercício do magistério, mas o acesso à revista, jornais e a produção de letras de músicas e poesias. Também permitiu a defesa de um “Assú de antigamente”, cidade de tradições, de códigos culturais erguidos ainda no século XIX, espaço que circulavam os bons e velhos costumes de uma época memorável, atravessada pela moral, pelos galanteios de homens de bravura e de palavra, um “Assú antigo” que o presente desconhecia. A escrita desta professora fornece indícios de uma época de perda dos antigos referenciais, a exemplo do convívio com personalidades de uma sociedade com marcas de moralidade, romantismo, religiosidade e patriarcalismo. Para além da pedagogia escolar, Sinhazinha Wanderley tentou educar os assuenses para que aprendessem os valores históricos do Assú situado no tempo de sua infância, adolescência e parte da vida adulta. Sinhazinha Wanderley faleceu em 1954 na cidade de Assú.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz de. A Invenção do Nordeste e Outras Artes. 5ª. ed. – São Paulo: Cortez, 2011.

ALBUQUERQUE Jr., Durval Muniz de. As sombras do tempo: A saudade como maneira de viver e pensar o tempo e a história. In: ERTZOGUE, Marina Haizenreder; PARENTE, Temis Gomes. (Orgs.). História e sensibilidades. Brasília: Pararelo, 2006.

AMORIM, Osvaldo. Justíssima Homenagem. O Mossoroense. Mossoró, 24 abr. 1957. n. 760, ano XI.

CALDAS, Maria Carolina Wanderley. Anotações. Assu: Mimeo, 1954.

CALDAS, Waldenyr. Iniciação à música popular brasileira. São Paulo: Àtica, 1989.

CARMO, Paulo Sérgio do. Culturas da Rebeldia: a juventude em questão. – São Paulo: Editora SENAC, 2001.

CHARTIER, Roger. Inscrever e Apagar: cultura escrita e literatura. Tradução de Luzmara Curcino Ferreira. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

DUBAR, Claude. A crise das identidades: a interpretação de uma mutação. São Paulo: Edusp, 2009.

JORGE, Franklin. Lembranças (esquecidas) do Assu. 04 mar. 2012 Disponível em: <http://novojornal.jor.br/blog/2012/03/04/jornal-de-franklin-jorge-lembrancas-esquecidas-do-assu>Acesso em 20 de abril de 2012.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 9 ed. Petropólis: Vozes, 2009.

LAJOLO, Mariza; ZILBERMAN, Regina. A Formação da Leitura no Brasil. 2ª. ed. São Paulo: Ática, 1998.

NUNES, Clarice. Letras femininas: missão intelectual de professoras jornalistas na imprensa brasileira. In: ALVES, Claudia; LEITE, Juçara Luzia (Orgs.). Intelectuais e história da educação no Brasil: poder, cultura e políticas. Vitória: EDUFES, 2011.

ORTIZ, Renato José. A Moderna Tradição Brasileira. Cultura brasileira e indústria cultural. 3a ed. São Paulo: Brasiliense, 1991.

SANTOS, Roberg Januário dos; BARROS, Lucilvana Ferreira. A poética do espaço: a escrita e a produção da paisagem dos verdes carnaubais assuenses (1950 – 1970). Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 5, n.9, jan./jun, p. 102 – 133, 2013.

SILVEIRA, Celso da (Org.). Paisagens da Minha terra. Assú: Nordeste Gráfica, 1990.

Publicado
2015-12-21
Como Citar
Santos, R. J. dos ., & Buriti, I. . (2015). “EU SINTO QUE ESSA VIDA JÁ ME FOGE”: A PEDAGOGIA DOS ESPAÇOS NAS TESSITURAS DE SINHAZINHA WANDERLEY. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 12(2). Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/739
Seção
Artigos