BURLAR AS NORMAS, ZOMBAR DA ORDEM

POLÍCIA, ESCRAVOS E SUBVERSÃO URBANA NA PROVÍNCIA DO PIAUÍ, 1870-1888

Palavras-chave: Escravidão, Controle Policial, Protesto Urbano

Resumo

Neste artigo o autor analisar as experiências de negros, cativos e libertos, e seus conflitos com a sociedade escravista teresinense do século XIX. Ao mesmo tempo procura perceber os significados da escravidão e do protesto escravo, tomando como reflexão a veiculação, pela imprensa da capital, de anedotas acerca do cotidiano da cidade. Discutimos também, as relações de controle policial vigentes, baseadas no cerceamento e, em alguns casos, na permissão das manifestações da identidade negra, fundamentadas, sobremodo, na organização dos folguedos/batuques e na formação de comunidades urbanas, conhecidas, na época, como calojis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mairton Celestino, Universidade Federal da Bahia – UFBA

Mestre em História pela Universidade Federal da Bahia.

Referências

ALGRANTI, Leila Mezan. O feitor ausente: estudo sobre a escravidão urbana no Rio de Janeiro-1808-1822. Petropolis-RJ: Vozes, 1988.

ARAÚJO, Maria Mafalda B. de. O poder e a seca no Piauí-1877-1879. Teresina: EDUFPI, 1991.

AZEVEDO, Célia Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites – século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BROWN, Alexandra Kelly. On the Vanguard of Civilization: Slavery, the Police, and conflicts between Public e Private power, in Salvador da Bahia, Brazil, 1835-1888. 1998. Tese (Doutorado), University of the Texas at Austin, 1998.

CHALHOUB, Sidney. Cidade Febril: cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Cia. das Letras, 1996.

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

CHARTIER, Roger. Text, Symbols, and Frencheness. The Journal of Modern History, v. 57, n. 4, p. 682-695, Dez. 1985.

COSTA, F. A. Pereira. Cronologia histórica do estado do Piauí: desde os seus tempos primitivos até a proclamação da República. Teresina: Artenova, 1974.

COSTA, F. A. Pereira da. Vocabulário pernambucano. Recife: Imprensa oficial, 1937.

FALCI, Miridan B. K. Escravos do Sertão: Demografia, Trabalho e Relações Sociais. Teresina: Fundação Monsenhor Chaves, 1999.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 32 ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREITAS, Clodoaldo. História de Teresina. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves, 1988.

GEERTZ, Clifford. O saber Local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Vozes, 1997.

GOMES, Flávio; SOARES, Carlos E. L. Com o pé sobre o vulcão: Africanos Minas, identidade e a repressão antiafricana no Rio de janeiro (1830-1840). Estudos Afro-Asiáticos, ano 23, n. 2, 2001.

GOMES, Flávio dos santos. História de Quilombolas: mocambos e comunidades de senzalas no Rio de janeiro, século XIX. São Paulo: Cia. das Letras, 2006.

GRAHM, Richard. Nos tumbeiros mais uma vez? O comércio interprovincial de escravos no Brasil. Afro – Ásia, v. 27, p. 121-160, 2002.

HOLLOWAY, Thomas. Polícia no Rio de Janeiro: repressão e resistência numa cidade do século XIX. Tradução Francisco de Castro Azevedo. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1997.

LARA, Sílvia H. Campos de violência: escravos e senhores na Capitania do Rio de Janeiro, 1750-1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

LEVI, Giovani. I Pericoli del Geertzismo. Quaderni Storia, v. 20, p. 269-277, 1985.

LIMA, Solimar Oliveira. Braço Forte: Trabalho escravo nas fazendas da nação no Piauí (1822-1871). Passo Fundo: UFP, 2005.

MACHADO, Maria Helena. O Plano e pânico – movimentos sociais na década de abolição. Rio de Janeiro: UERJ / EDUSP, 1994.

MELLO, Evaldo Cabral. O Norte Agrário e o Império. 1871-1889. 2 ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999.

NUNES, Odilon. Pesquisas para a História do Piauí. 2 ed. Teresina: Artenova, 1975.

QUEIROZ, Teresinha. Os Literatos e a República. Clodoaldo Freitas, Higino Cunha e as tiranias do tempo. 2 ed. Teresina: Edufpi, 1996.

REIS, João José. Batuque Negro: Repressão e permissão na Bahia Oitocentista. In: JANCSÓ, István; KANTOR, Íris. (Orgs.). Festa: Cultura & Sociabilidade Portuguesa. São Paulo: Editora USP / Fapesp / Imprensa Oficial, 2001.

REIS, João José. Tambores e Temores: A festa negra na Bahia na primeira metade do século XIC. In: CUNHA, Maria Clementina. (Org.). Carnavais e outras f (r) estas. Rio de janeiro: Nova Fronteira, 2002.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil. A história do levante dos Malês em 1835. São Paulo: Cia. das Letras, 2005.

SILVA, Mairton Celestino da. Batuque na rua dos negros: cultura e polícia na Teresina da segunda metade do século XIX. 2008. Dissertação (Mestrado em História) – UFBA, Salvador, 2008.

SILVA, Eduardo. Negociação e conflito: a resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Cia. das Letras, 1989.

SLENES, Robert. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava, Brasil Sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano. Zungu: rumor de muitas vozes. Rio de Janeiro: Arquivo Público do Rio de Janeiro, 1998.

SOARES, Luis Carlos. “O povo de Cam” na Capital do Brasil. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007.

SOIHET, Rachel. Subversão pelo riso, reflexões sobre resistência e circularidade cultural no carnaval carioca. 1994. Tese (Doutorado em História), Universidade Federal Fluminense, Departamento de História, 1994.

THOMPSON, Edward Palmer. Costumes em Comum. São Paulo: Cia. das Letras, 1998.

THOMPSON, Edward Palmer. Peculiaridade dos Ingleses e outros artigos. Organização de Antonio Luigi Negro e Sergio Silva. Campinas: Editora Unicamp, 2001.

THOMPSON, Edward Palmer. Senhores e Caçadores: a origem da lei negra. Rio de Janeiro: Cia. das Letras, 1987.

Publicado
2008-09-30
Como Citar
Celestino, M. (2008). BURLAR AS NORMAS, ZOMBAR DA ORDEM: POLÍCIA, ESCRAVOS E SUBVERSÃO URBANA NA PROVÍNCIA DO PIAUÍ, 1870-1888. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 5(3), 1-20. Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/74