JOGO, ESPAÇO CULTURAL E CRIAÇÃO SIMBÓLICA

REFLEXÕES ACERCA DO JOGO DA CAPOEIRA

  • Robson Carlos da Silva Universidade Estadual do Piauí – UESPI
Palavras-chave: Capoeira, Jogo, Ação Simbólica, Ação Criadora

Resumo

O artigo aborda a capoeira, cultura que nasce enquanto luta de sobrevivência do povo negro em contexto de escravidão no Brasil, se torna fenômeno social e ação simbólica de natureza lúdica, sendo conhecida e tratada, nos dias atuais, como jogo. As reflexões giram em torno de questões, tais como, na prática da capoeira, quais as características que sustentam sua natureza de jogo? quais os princípios e as dimensões da capoeira a fundamentam enquanto ação simbólica lúdica e criadora? Ancorado em uma perspectiva histórica são apontadas pistas dessa conceituação, utilizando um debate teórico entre as categorias trabalhadas por Huizinga (2012), Rego (1968), Abreu e Castro (2009), Capoeira (1985;1992) e Sodré (2002; 2005). O artigo defende a capoeira enquanto síntese de diversas formas de cosmovisões, que se fundem na ação de um jogo de livre expressão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Frederico José; CASTRO, Maurício Barros (orgs.). Capoeira. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2009.

BARCELLOS, Mário César. Os orixás e o segredo da vida: lógica, mitologia e ecologia. Rio de Janeiro: Pallas, 1995.

BREGOLATO, Roseli Aparecida. Cultura corporal do jogo. 3. ed. São Paulo: Ícone, 2008.

BRUHNS, Heloisa Turini. Futebol, carnaval e capoeira: entre as gingas do corpo brasileiro. Campinas-SP: Papirus, 2000.

CAPOEIRA, Nestor. Capoeira: os fundamentos da malícia. Rio de Janeiro: Record, 1992.

CAPOEIRA, Nestor. Galo já cantou. Rio de Janeiro: Cabicieri Editorial, 1985.

FALCÃO, José Luiz Cerqueira. A Escolarização da capoeira. Brasília/DF: ASEFE: Royal Court, 1996.

HALL, Stuart. A identidade cultural na Pós-modernidade. 7. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da Cultura. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2012.

KISCHIMOTO, Tizuko Morchida (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

KISCHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogos tradicionais infantis. Petrópolis: Vozes, 1993.

REGO, Waldeloir. Capoeira Angola: um ensaio sócio-etonográfico. Salvador/BA: Itapoã, 1968.

RETONDAR, Jeferson José Moebus. Teoria do Jogo. Petrópolis: Vozes, 2007.

SILVA, Roberto Carlos da. As Narrativas dos mestres e a história da capoeira em Teresina/PI: do pé do berimbau aos espaços escolares, trago uma abordagem que melhor esclarece a questão das tradições no universo da capoeira. Tese (Doutorado em História da Educação) Universidade Federal do Ceará, 2012.

SODRÉ, Muniz. Mestre Bimba: corpo de mandinga. Rio de Janeiro: Manati, 2002.

Publicado
2015-12-21
Como Citar
Silva, R. C. da S. (2015). JOGO, ESPAÇO CULTURAL E CRIAÇÃO SIMBÓLICA: REFLEXÕES ACERCA DO JOGO DA CAPOEIRA. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 12(2). Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/740
Seção
Artigos