A MEDICINA A SERVIÇO DA CIVILIZAÇÃO NO RIO DE JANEIRO OITOCENTISTA

  • Vinicius Cranek Gagliardo Universidade Estadual Paulista - UNESP/Franca
Palavras-chave: Medicina, Civilização, Europeização

Resumo

Em 1829, foi criada no Brasil a Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, instituição que passou a demandar o controle do saber médico e de suas atribuições sociais. Tal Sociedade teria sido responsável pela grande ofensiva da medicina social no país, por meio da institucionalização da higiene pública, tornando-se um marco na descontinuidade discursiva e prática em relação à medicina exercida nos tempos coloniais. Assim, sugere-se que se estabeleceu um novo tipo de intervenção médica sobre a cidade e a população a partir de sua criação: a civilizatória. Em vista disso, este artigo tem como objetivo central analisar o projeto de civilização e europeização do Rio de Janeiro oitocentista arquitetado pela Sociedade de Medicina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRESCIANI, Stella. Apresentação. In: PECHMAN, Robert Moses. Cidades estreitamente vigiadas: o detetive e o urbanista. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 2004.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da medicina social. In: ______. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FRANÇA. Jean Marcel Carvalho. A higienização do povo: medicina social e alienismo no Rio de Janeiro oitocentista. 1990. 114 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1990.

FRANÇA, Jean Marcel Carvalho. Literatura e sociedade no Rio de Janeiro oitocentista. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1999.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e mucambos: decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. São Paulo: Global, 2004.

LIMA, Oliveira. D. João VI no Brasil. Rio de Janeiro: Topbooks, 1996.

MALERBA, Jurandir. A corte no exílio: civilização e poder no Brasil às vésperas da independência (1808 a 1821). São Paulo: Cia das Letras, 2000.

MACHADO, Roberto et al. Danação da norma: medicina social e construção da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema. São Paulo: Hucitec, 2004.

PEDREIRA, Jorge; COSTA, Fernando Dores. D. João VI: um príncipe entre dois continentes. São Paulo: Cia das Letras, 2008.

PECHMAN, Robert Moses. Cidades estreitamente vigiadas: o detetive e o urbanista. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

RIBEIRO, Lourival. O barão de Lavradio e a higiene do Rio de Janeiro. Belo Horizonte: Itatiaia, 1992.

Publicado
2015-12-21
Como Citar
Gagliardo, V. C. . (2015). A MEDICINA A SERVIÇO DA CIVILIZAÇÃO NO RIO DE JANEIRO OITOCENTISTA. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 12(2). Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/742
Seção
Artigos