NA ROTA DA “TRANSA-AMAZÔNICA”

  • Idelma Santiago da Silva Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará – UNIFESSPA https://orcid.org/0000-0002-7631-2866
  • Hiran de Moura Possas Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará – UNIFESSPA
Palavras-chave: Transamazônica, bordas, Amazônias, fronteiras, Antonio Juraci Siqueira

Resumo

Do número imensurável de textos sobre a vida, que o útero do tempo é capaz de gestar, aqueles produzidos artesanalmente, fora dos sistemas culturais oficiais, são sem dúvida os mais atraentes. São bordas recheadas de significados e, ao mesmo tempo, se esquivando de todos eles. Esse fazer libertino não poderia deixar de transitar também pelas Amazônias no plural para, de modo muito precário, tentar acompanhar a velocidade de suas transformações, inclusive a de alguns artistas das bordas, como Antonio Juraci Siqueira, um flâneur transitando pelos territórios barrocos com funcionamento semiótico, sem ponto de referência, sem verdade última, todo ele relação, tradução constante e dinâmica, inclusive ao Transar as Amazônias pela rodovia “boiúna”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUER JR., Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. 2ª ed. São Paulo: Cortez Editora; Recife: FJN, Ed. Massangana, 2001.

BALESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, mai. – ago. de 2013.

BARROS, João Maria. Futuro e Grandeza. Revista Itatocan, Marabá, Ano 8, n. 1, [s./p.], jan. 1971.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução Myriam Ávila; Eliana L. de Lima Reis; Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

BRAGA, Magno Michell. Marçal. Transamazônica em perspectiva: a experiência dos trabalhadores migrantes do Nordeste. Marabá, 2014.

CABRERA, Olga. A literatura e a filosofia da contracultura caribenha em Alejo Carpentier. In: ALMEIDA, Jaime de; CABRERA, Olga; CORTÉS ZAVALA, María Teresa (Orgs.). Cenários Caribenhos. Brasília: Paralelo 15, 2003.

CANDIDO SÁ. Transamazônica humanizando. Itatocan Jornal, Marabá, 25 dez. 1971.

CUNHA, Euclides da. Um Paraíso Perdido: ensaios amazônicos. (Coleção Brasil 500 anos). Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2000.

DELEUZE, Gilles. Leibniz e o Barroco – Gilles Deleuze. Tradução Luiz B. L. Orlandi. Campinas: Papirus, 1991.

GLISSANT, Édourd. Introdução a uma poética da diversidade. Trad. Enilce do Carmo Albergaria Rocha. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2005.

GLISSANT, Édouard. Poetics of Relation. Translated by Betsy Wing. United States of America: University of Michigan Press, 1997.

LAWN, Chrins. Compreender Gadamer. 2ª ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Comunicação e mediações culturais. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 23, n. 01, p. 151-163, jan. – jun. de 2000.

MARTINS, José de S. Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Hucitec, 1997.

MIGNOLO, Walter. La idea de América Latina: la herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Gedisa Editorial, 2007.

PAZ, Octavio. Signos em Rotação. São Paulo: Perspectiva, 2009.

PINHEIRO, Amálio. Barroco, cidade, jornal. São Paulo: Intermeios, 2013.

PINTO, Lúcio Flávio. História trágica. O Liberal, Belém, [s./p.], 16 Jun. 1979.

RIBEIRO, Jorge Luiz. Quilometro 6. In: BRAZ, Ademir (Org.). Antologia Tocantina. Marabá: Grafecort, 1998.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Gramática do Tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2010.

SERRES, Michel. Filosofia Mestiça. Tradução Maria Ignez Duque Estrada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

SIQUEIRA, Antonio Juraci. Irmã Serafina Cinque: o anjo da Transamazônia. Belém: [s.n.]. 2011.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? 1ª ed. Tradução Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

Publicado
2015-06-15
Como Citar
Silva, I. S. da S., & Possas, H. de M. . (2015). NA ROTA DA “TRANSA-AMAZÔNICA”. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 12(1). Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/835