DOS ABISMOS

IMAGINAÇÃO E TRADIÇÃO NA TESSITURA DA NARRATIVA SOBRE OS RIOS ARAGUAIA E TOCANTINS EM IGNÁCIO BAPTISTA DE MOURA E J. A. LEITE MORAES

  • Olivia Macedo Miranda Cormineiro Universidade Federal do Tocantins – UFT/Araguaína
Palavras-chave: Rios Araguaia e Tocantins, Narrativas, Presença, Tradição literária, Abismo

Resumo

 O objetivo deste artigo é problematizar o impacto do contato de Ignácio Baptista de Moura e Joaquim A. Leite Moraes com os rios Tocantins e Araguaia durante suas passagens pela região nas duas últimas décadas do século XIX. Abordaremos a temática considerando-se o adensamento, nos respectivos relatos desses viajantes, da construção metafórica que, em certo sentido, não somente ficcionaliza os rios e a região, mas também lhes preenche de significados. De um lado, surge a expressão de emoções liberadas nas próprias viagens e que se traduzem na pontuação dos relatos plenos de excitamento e melancolia; e, de outro, uma poética que se move entre a plasticidade e o horror da natureza alegorizadas em espaços infernais, muitos deles apreendidos em clássicos literários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. Tradução de Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

BAKHTIN, Mikhail M. Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BORGES, Durval Rosa. Rio Araguaia: corpo e alma. São Paulo: IBRASA; Editora da USP, 1987.

DOMINIK, William John. Natureza, escuridão e sombras no supertexto de Virgílio. Phaos – Revista de Estudos Clássicos da Universidade de Campinas, Campinas, n. 9, p. 56-62. 2009.

DUMAS, Alexandre. O Conde de Monte Cristo. Tradução e apresentação de notas de André Telles e Rodrigo Lacerda. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2009.

DURRENMATT, Jacques. (Org.). La ponctuation. Besançon: La Licorne, 2000.

FLORES, Kátia M. Caminhos que andam: o rio Tocantins e a navegação fluvial nos sertões do Brasil. 2006. 193 f. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2006.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora da PUC-Rio, 2010.

LEITE MORAES, Joaquim de Almeida. Apontamentos de Viagem. Antônio Cândido (Org.) São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

MEMÓRIAS GOIANAS. Relatórios dos Governos da Província de Goiás 1880-1881. Sociedade Goiana de Cultura; Instituto de Pesquisas e Estudos Históricos do Brasil Central; Centro de Cultura Goiana. Goiânia: Editora da UGC, 2001.

MOURA, Ignácio Baptista de. De Belém a São Joãodo Araguaia: vale do rio Tocantins. Belém: Secretaria de Estado da Cultura; Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, 1989.

RICOEUR Paul. A Metáfora Viva. Tradução de Dion Davi Macedo. 2 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

TOCANTINS, Leandro. O rio comanda a Vida: uma interpretação da Amazônia. 4 ed. Rio de Janeiro: Cia. Editora Americana, 1972.

TREVIZAM, Matheus. Os “monstros” de Virgílio no livro I das Geórgicas. Fragmentos. Florianópolis, n. 35, jul. – dez. de 2008.

Publicado
2015-06-15
Como Citar
Cormineiro, O. M. M. . (2015). DOS ABISMOS: IMAGINAÇÃO E TRADIÇÃO NA TESSITURA DA NARRATIVA SOBRE OS RIOS ARAGUAIA E TOCANTINS EM IGNÁCIO BAPTISTA DE MOURA E J. A. LEITE MORAES. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 12(1). Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/837