HISTORIOGRAFIA DO CINEMA BRASILEIRO DIANTE DAS FRONTEIRAS ENTRE O TRÁGICO E O CÔMICO

REDESCOBRINDO A “CHANCHADA”

Palavras-chave: História e Historiografia, Cinema Brasileiro, Chanchada

Resumo

Este artigo mostra o modo como a historiografia do cinema brasileiro, ao tratar das Chanchadas, baseando-se nas críticas de época, acaba reproduzindo uma tradição que estabelece fronteiras rígidas entre o trágico e cômico. Estas fronteiras relegam a comédia a um plano secundário. Este artigo discute, além disso, as possibilidades de crítica a esta historiografia por meio do diálogo com as idéias de M. Bakthin.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Coleção: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

ALBERTI, V. O Riso e o Risível na História do Pensamento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed/FGV, 1999.

ECO, U. O Nome da Rosa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

CARLSON, M. Teorias do Teatro. São Paulo: UNESP, 1997.

VIANY, A. Introdução ao Cinema Brasileiro. Rio de Janeiro: Editora Revan, 1993.

EMILIO, P. Cinema: trajetória no subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

Publicado
2020-10-23
Como Citar
Ramos, A. F. . (2020). HISTORIOGRAFIA DO CINEMA BRASILEIRO DIANTE DAS FRONTEIRAS ENTRE O TRÁGICO E O CÔMICO: REDESCOBRINDO A “CHANCHADA” . Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 2(4). Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/869