A doutrina Bush e a “defesa” da democracia no cinema pós-11 de setembro

  • Daniel Ivori de Matos Instituto Federal Catarinense – IFC
Palavras-chave: Guerra ao Terror, Cinema-História, Atentados Terroristas

Resumo

Tratar-se-á neste artigo um dos eventos de maior repercussão neste breve século XXI, os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 nos EUA. Nota-se, inicialmente a exploração das imagens do acontecimento como um novo marco que abalou a nação e a democracia estadunidense; em seguida, o terrorismo assumiu a ordem do dia, muitos discursos políticos do ex-presidente George Walker Bush sobre o “novo” inimigo, o terrorismo, foram apropriados por vários governantes, tornando-se uma estratégia internacional antiterrorista, que justificaram mudanças legislativas nos EUA, impulsionaram os conflitos no Afeganistão e no Iraque, incorporando, ainda, outras discussões, referentes ao Oriente Médio e ao islamismo. Subentendesse que esse capítulo da história dos EUA é impossível de ser escrito sem as imagens, já que a espetacularização das imagens dos atentados causaram grande impacto na sociedade estadunidense. Os filmes nesse processo constituíram-se numa prática significativa, seja a favor ou contra tais embates. Inicialmente, houve o escapismo/silenciamento/estranhamento, rememorando-se conflitos importantes da história dos EUA (como a Segunda Guerra Mundial, a Guerra do Vietnã e conflitos dos EUA na África e Oriente Médio) aplicados em outros contextos, ao mesmo tempo em que Hollywood se distancia de temas ainda delicados. Visto o grande número de filmes sobre a Guerra ao Terror, tratar-se-á neste artigo alguns dos filmes que estavam alinhados a Doutrina Bush e a defesa da democracia durante o governo de George W. Bush.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CETTL, Robert. Terrorism in American Cinema: an analytical filmography, 1960-2008. Jefferson, N.C.: McFarland & Company, 2009.

EBERT, Roger. Behind Enemy Lines. Chicago Sun-Times, Chicago, 30 Nov. 2001. Disponível em: <http://www.rogerebert.com/reviews/behind-enemy-lines-2001>. Acesso em: 02 mar. 2017.

GERMAIN, David. Images of trade center preserved in fresh films shot before Sept. 11. The Berkeley Daily Planet, Berkley, 20 Abr. 2002. Disponível: <http://www.berkeleydailyplanet.com/issue/2002-04-20/article/11500?headline=Images-of-trade-center-preserved-in-fresh-films-shot-before-Sept.-11---By-David-Germain-The-Associated-Press>. Acesso em: 17 fev. 2017.

GOODMAN, Tim. Two films on Sept. 11, one silly and one remarkable. San Francisco Chronicle, São Francisco, 05 de Set, 2003. Disponível em: <http://www.sfgate.com/entertainment/article/Two-films-on-Sept-11-one-silly-and-one-2558519.php>. Acesso em: 10 abr. 2017.

HARTOG, François. Regimes de Historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

HOBERMAN, John. Lights, Camera, Exploitation. The Village Voice, Nova Iorque, 26 Ago. 2003. Disponível em: <http://www.villagevoice.com/news/lights-camera-exploitation-6409541>. Acesso em: 10 abr. 2017.

PRINCE, Stephen. Firestorm: American film in the age of terrorism. New York: Columbia University Press, 2009.

RÉMOND, René. (Org.). Por uma história política. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

THORNTON, Rod. Asymmetric Warfare: threat and response in the twenty-first century. Cambridge: Polity Press, 2007.

UNEÑA, Antonio Malalana. La exégesis de la guerra global contra el terrorismo a través del cine y la televisión. HAO, n. 34, p. 41-53, Primavera, 2014.

UNITED STATES. White House Office. The national security strategy of the United States of America. Washington: President of the U.S., 2002, p. V. Disponível em: <https://www.state.gov/documents/organization/63562.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2015.

YOUNG, Marilyn B. In Combat Zone. In: RAO, Aparna; BOLLING, Michael; BÖCK, Monika. The Practice of War: Production, Reproduction and Communication of Armed Violence. New York: Berghahn Books, 2007.

Publicado
2020-12-23
Como Citar
Ivori de Matos, D. . (2020). A doutrina Bush e a “defesa” da democracia no cinema pós-11 de setembro. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 17(17), 120- 139. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v17i17.946