A comunidade universal

as metamorfoses do humano em Maria Gabriela Llansol

  • Maria João Cantinho Universidade Nova de Lisboa – NOVA
Palavras-chave: História, Literatura, Imagens, Llansol.

Resumo

A escritora portuguesa Maria Gabriela llansol Nunes da Cunha Rodrigues Joaquim publicou mais de 26 livros. No Brasil, suas obras têm sido publicadas pela Autêntica é há no banco de dissertações e teses da UFMG, por exemplo, desde 1997, cerca de 18 trabalhos realizados acerca da obra llansoliana. Também há filmes, e outras produções artísticas, que nascem dessa experiência - por exemplo, o filme Redemoinho-poema, de Lucia Castello Branco e Gabriel Sanna (2008). Sua escrita se dá “nas margens da língua [...] e fora do universo institucional e mediático da ‘literatura”. Tal afirmação coloca o texto de Llansol como uma experiência para além da adesão a verdades dadas de antemão, ou reservadas a uns poucos. Assim, o texto de Maria Gabriela Llansol não pretende ser tão-somente como uma forma estética alheia à realidade, um puro experimentalismo. Ele se volta contra a impostura, e, por conseguinte, contra as ficções do mundo, e suas verdades. Borrando os limites entre literatura e filosofia, assim como entre o diário pessoal e a ficção. Llansol cria uma mitologia própria, onde conjuga elementos díspares em improváveis jogos de sentido. O mundano se eleva, e uma complexa rede de reflexões emerge da simples observação cotidiana. Como afirma Arnaldo Antunes na apresentação de Um Falcão no Punho – Autêntica 2011 – “Llansol nos convida a pisar, lenta e pausadamente, onde cada frase esconde uma surpresa, um segredo, uma nova pele por baixo de outras, mais profundas, sem perder a superfície, onde as palavras se misturam à matéria incerta do mundo”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Langue et histoire. Walter Benjamin et Paris. Paris: Éditions du Cerf, 1986.

AGAMBEN, Giorgio. Le Langage et la Mort. Editions Christian Bourgois editeur, Paris, 1991.

BENJAMIN, Walter. Paris, Capital du XIXe Siècle. Paris: Éditions du Cerf, 1993.

BENJAMIN, Walter. Sur le Concept d'Histoire. Em W. Benjamin. Écrits Français. Paris: Galimard, 1999.

BLANCHOT, Maurice. L'Espace Littéraire. Paris: Folio Éditions, 1995.

BLANCHOT, Maurice. O Livro por Vir. Lisboa: Relógio d'Água, 2018.

BROCH, Hermann. Hofmannsthal et son temps. Em H. Broch, Création Littéraire et Conaissance (p. 142/143). Paris: Gallimard, 1966.

LLANSOL, Maria Gabriela. Lisboa leipzig 2, O Ensaio da Música. Lisboa: Editora Rolim, 1994.

LLANSOL, Maria Gabriela. LisboaLeipzig1, o encontro inesperado do Diverso. Lisboa: EDITORA ROLIM, 1994.

LLANSOL, Maria Gabriela. Um falcão no punho. Lisboa: Relógio D'água, 1998.

LLANSOL, Maria Gabriela. O Livro das Comunidades. Lisboa: Relógio d'àgua, 1999.

LLANSOL, Maria Gabriela. Onde vais, Drama-Poesia? Lisboa: Relógio d'Água, 2000.

LLANSOL, Maria Gabriela. O Senhor de Herbais. Lisboa: Relógio d'Água, 2002.

LLANSOL, Maria Gabriela. O Começo de um livro é precioso. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003.

LLANSOL, Maria Gabriela. Um beijo dado mais tarde. Lisboa: Assírio & Alvim, 2016.

LOPES, Silvina Rodrigues. Exercícios de Aproximação. Lisboa: Edições Vendaval, 2003.

LOPES, Silvina Rodrigues. Teoria da Des-possessão. Lisboa: Averno, 2013.

MAGALHÃES, Rui. (s.d.). O Dom do Método.

MOSÈS, Stéphane. L'ange de l'histoire. Paris: Seuil, 1992.

MOURÃO, José Augusto. A Pele da Imagem. Revista de Comunicação e Linguagens - Imagem e Vida, 2003.

MOURÃO, José Augusto. (s.d.). Figuras da Metamorfose na Obra de Maria Gabriela Llansol. Revista Colóquio Letras. (143, 144).

RILKE, Ranir Maria. (1993). As Elegias de Duíno. Lisboa: Assírio & Alvim, 1993.

Publicado
2020-12-23
Como Citar
Cantinho, M. J. . (2020). A comunidade universal: as metamorfoses do humano em Maria Gabriela Llansol. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 17(17), 211- 230. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v17i17.950