Pistas teóricas e indícios analíticos para investigações acerca do cinema de Quentin Tarantino

  • Julierme Morais Universidade Estadual de Goiás – UEG https://orcid.org/
Palavras-chave: Quentin Tarantino, História Cultural, Teorias do cinema

Resumo

Este texto problematiza alternativas de abordagem teórica das representações fílmicas de Quentin Tarantino a partir da História Cultural. A intenção é contribuir com aqueles que lidam com a interlocução entre História, cinema e estética com base nas Teorias do cinema. Para esse propósito, discuto as teorias do estilo cinematográfico, da autoria no cinema e do cinema de alusão enquanto proposições no trato de escrituras fílmicas de Quentin Tarantino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUMONT, Jacques; MARIE, Michel. A Análise do Filme. Lisboa: Edições Texto & Grafia, 2009.

BARROS, José D’Assunção. A História Cultural e a contribuição de Roger Chartier. Diálogos, v. 9, n. 1, 2005, p. 125-141.

BERNARDET, Jean-Claude. O autor no cinema. São Paulo: Brasiliense; Edusp, 1994.

BORDWELL, David. Figuras traçadas na luz: a encenação no cinema. Campinas, SP: Papirus, 2008.

______. Sobre a história do estilo cinematográfico. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

CARROLL, Noël. The future of allusion: hollywood in the seventies (and beyond). October, v. 20, p. 51-81.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel; Rio de janeiro: Bertrand, 1990.

COSTA, Antonio. Compreender o cinema. 3ª ed. São Paulo, Editora Globo, 2003.

CURRIE, Gregory. Ficções visuais. In: RAMOS, Fernão (Org.). Teoria contemporânea do cinema: pós-estruturalismo e filosofia analítica. São Paulo. SENAC. 2005, p. 171-188.

GINZBURG, Carlo Olhos de Madeira: nove reflexões sobre a distância. São Paulo: Cia das Letras, 2001.

KURTINAITIS, Marcos. Mondo Tarantino: uma introdução. In: ______. Mondo Tarantino. São Paulo: Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária – USP, 2013, p. 10-13.

MORAIS, Julierme. Os estudos históricos e os filmes: chaves teórico-metodológicas. Fato & Versões, v. 9, n. 17, 2017, p. 1-17.

OLIVEIRA JR. Luiz Carlos. A Jukebox de Tarantino. In: KURTINAITIS, Marcos. Mondo Tarantino. São Paulo: Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária – USP, 2013, p. 43-57.

PARIS, Robert. A imagem de um operário no século XIX pelo espelho de um “Vaudeville”. Revista Brasileira de História. São Paulo/Rio de janeiro: ANPUH/Marco Zero, v.8, n. 15, Set. 1987/Fev. 1988, p. 61-89.

RIUX, Jean-Pierre. Introdução – um domínio e um olhar. In: ______ & SIRINELLI, Jean-François (Orgs.). Para uma História Cultural. Rio de Janeiro: Editorial Estampa, 1998, p. 11-22.

SCARPA, Paulo Cesar Almeida. Transgressão, mercado e distinção: a violência extrema no cinema. Dissertação de mestrado. Sociologia, Universidade Federal do Paraná, 2007.

STAM, Robert, Film theory: an introduction. Malden Mass: Balckwell Publishers, 2000.

VEDIA, Mauro Baptista. O cinema de Quentin Tarantino. In: KURTINAITIS, Marcos. Mondo Tarantino. São Paulo: Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária – USP, 2013, p. 117-133.

______. O cinema de Quentin Tarantino. Campinas, SP: Papirus, 2010.

______. O cinema de Quentin Tarantino e suas três principais formas de representação: as cenas do cotidiano, os momentos exploitation e o jogo num cinema de gênero paródico. Revista Contracampo, 2002, p. 99-109.

WALTON, Kendal. Temores fictícios. In: RAMOS, Fernão Pessoa. Teoria Contemporânea do Cinema: pós-estruturalismo e filosofa analítica. São Paulo: Senac, 2005. p. 116-139.

Publicado
2020-12-23
Como Citar
Morais, J. (2020). Pistas teóricas e indícios analíticos para investigações acerca do cinema de Quentin Tarantino. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 17(17), 412 -430. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v17i17.959