A luz de Tereza de Benguela não apagará:

o dito e o não-dito pelas fontes históricas

Palavras-chave: História afro-brasileira, Quilombo, Tereza de Benguela

Resumo

Este estudo visa analisar a abordagem da líder quilombola Tereza de Benguela em fontes oficiais, a saber, as memórias do provedor da Fazenda Filipe Coelho e a narrativa dos Anais de Vila Bela de Santíssima Trindade, ambas escritas na década de 1770. Nelas, é possível observar uma abordagem depreciativa marcada por inconsistências. A fim de entender tal tratamento, inicialmente, delinearemos um panorama da escravidão no oeste luso-brasileiro. Posteriormente, apreciaremos as fontes comparando-as com outros documentos e pesquisas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Referências documentais e bibliográficas

Fontes primárias

Doc. 1 – NDIHR, Capitania de Mato Grosso, ano 1773: AHU, doc. 1054 microfilme, rolo 15, cx. 17. Anexo: 2º.

Doc. 2 – Mapa dos adventícios e escravos fugidos da Capitania de Mato Grosso (1771). . Acessado no dia 25/03/2015.

Doc. 3 - APMT, QM, TM, RO 0998, Cx.15 .

Doc. 4 - APMT, Manuscritos, Estante 1, C-07, 1773.

Doc. 5 – APMT, O Liberal, Cuiabá, 30 de junho de 1875.

Fontes publicadas

ALBUQUERQUE, João. In: Revista do Arquivo Público do Estado de Mato Grosso (RAPMT), Cuiabá, v. 1, n. 3, marc-set. de 1987 [1794].

ALINCOURT, Luís d’. Memória sobre a viagem do porto de Santos à cidade de Cuiabá. Brasília: Senado Federal; Conselho Editorial, 2006.

AMADO, Janaina; ANZAI, Leny Caselli. Anais de Vila Bela (1734-1789). Cuiabá: Carlini e Caniato; EdUFMT, 2006.

COELHO, Filipe José Nogueira. Memórias Chronológicas da Capitania de Mato Grosso. Rio de Janeiro: Revista Trimestral de História e Geografia/Jornal do IHGB, 1850 (2ª semestre).

MELLO, Francisco Pedro. Diário de Diligência [1795]. In: ROQUETTE-PINTO. Rondônia. Archivos do Museu Nacional do Rio de Janeiro (Volume XX). Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1917.

MENDES, Luis Antonio de Oliveira. Memorias econômicas da Academia Real das Sciencias de Lisboa. Tomo IV. Lisboa: Tipografia da Academia, 1812.

MENEZES, Luís da Cunha. NOTÍCIA Geral da Capitania de Goiás em 1783 (organizado por Paulo Bertran). Universidade Católica de Goiás; Universidade Federal de Goiás; Brasília: Solo Editores, 1995 (tomo II).

SÁ, Joseph Barboza de. Relação das povoações do Cuyabá e Mato Grosso de seos princípios thé o s prezentes tempos (1775). Cuiabá: UFMT/SEC, 1975.

SCHMIDT, Max. Die Aruaken: um classic da etnologia sul-americanista. Leipzig: Veit & Comp. [1917]. Disponível em <http://etnolinguistica.wdfiles.com/local--files/biblio%3Aschmidt-1917-aruaques/schmidt_1917_aruaques.pdf >. Acesso em: 06 dez. 2014.

SUZUKI, Yumiko Takamoto. Annaes do Sennado da Camara do Cuyabá (1719-1830). Transcrição e organização Yumiko Takamoto Suzuki Cuiabá:Entrelinhas/Arquivo Público de Mato Grosso, 2007.

Livros, Artigos, Dissertações e Teses

ARRUZZO, Roberta Carvalho. Construindo e desfazendo territórios: as relações territoriais entre os Paresi e os não-índios na segunda metade do século XX. In: XII Colóquio Internacional de Geocrítica, Bogotá, 7 a 11 de maio de 2012. Disponível em < http://www.ub.edu/geocrit/coloquio2012/actas/08-R-Carvalho.pdf>. Acesso em: 12 set. 2014.

BARTOLOMÉ, Miguel Alberto. As etnogêneses: velhos atores e novos papéis no cenário cultural e político. Mana vol.12 no.1 Rio de Janeiro Apr. 2006.

BOXER, C.R. O Império Marítimo Português. Rio de Janeiro: São Paulo, 2002 [1969].

COSTA, M. de F.: .Alexandre Rodrigues Ferreira e a capitania de Mato Grosso: imagens do interior. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 8, pp. 993-1014, 2001.

CURTIN, Philip D. The Atlantic Slave Trade: a census. Madison: Wisconsin University Press, 1969.

CURTO, José C. “The Legal Portuguese Slave Trade from Benguela, Angola, 1730-1828: A Quantitative Re-Appraisal”. África, São Paulo, n. 16-17, 1993.

FERREIRA, Roquinaldo. Transforming Atlantic Slaving: Trade, Warfare and Territorial Control in Angola, 1650-1800. Tese (doutorado em História). University of California, Los Angeles, 2003.

FLORENTINO, Manolo; RIBEIRO, Alexandre Vieira; SILVA, Daniel Domingues. Aspectos comparativos do tráfico de africanos no Brasil (séculos XVIII e XIX). Afro-Ásia, Salvador, n. 31, 2004.

GOMES, Flávio dos Santos. A hidra e os pântanos: mocambos, quilombos e comunidades de fugitivos no Brasil (séculos XVII- XIX). São Paulo: Ed.UNESP; Ed. Polis, 2005

HILL, Jonathan. HILL, Jonathan (org). History, power and identity. Iowa, USA: University of Iowa Press, 1996.

LIMA, André Nicacio. Caminhos da integração, fronteiras da política: a formação das províncias de Goiás e Mato Grosso. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

LORDELO, Monique Cristina de Souza. Escravos Negros na fronteira oeste da Capitania de Mato Grosso: Fugas, capturas e formação de quilombos (1748-1796). Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Mato Grosso Cuiabá, 2010.

MACHADO, Maria de Fátima Roberto. Quilombos, Cabixis e Caburés: índios e negros em Mato Grosso no século XVIII. In: Anais da 25º Reunião Brasileira de Antropologia, Goiânia, junho de 2006.

ODA, Ana Maria Galdini Raimundo. “O banzo e outros males: o páthos dos negros escravos na Memória de Oliveira Mendes”. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, v. 10, n. 2, pp. 346-361, 2007.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de. "Uma etnologia dos 'índios misturados'? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais". Mana. Estudos de Antropología Social, Rio de Janeiro, n. 4(1), pp. 47-77, 1998.

RODRIGUES, Bruno Pinheiro. Homens de ferro, Mulheres de pedra: o itinerário de resistências de africanos escravizados entre a África Centro-Ocidental e América espanhola. Fugas, formação de quilombos e conspirações urbanas (1720-1809). Curitiba: Appris, 2019.

______. Paixão da alma: o suicídio de cativos em Cuiabá (1854-1888). Cuiabá: Carline e Caniato; EdUFMT, 2018.

ROOSENS, Eugeen. Creating ethnicity. The process of ethnogenesis. San Francisco, USA: Ed. Sage, 1989.

SALGADO, Graça (Org.). Fiscais e Meirinhos: A administração no Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

SILVA, José Justino de Andrade. Colleção Chrologica da Legislação Portuguesa. Compilada e anotada 1683-1700. Lisboa: Imprensa Nacional, 1989.

SILVA, Jovam Vilela da. Mistura de cores: políticas de povoamento e população na Capitania de Mato Grosso (século XVIII). Cuiabá: EdUFMT, 1995

SIQUEIRA, Elizabeth. Trajetória do tribunal de justiça de Mato Grosso, 130 anos. Cuiabá: Entrelinhas, 2005.

VOLPATO, Luiza. Cativos do Sertão. São Paulo: Editora Marco Zero; Cuiabá, MT: Editora da Universidade Federal de Mato Grosso, 1993.

Site consultado

SLAVE VOYAGES. Disponível em < https://www.slavevoyages.org/estimates/LMNlYZKl >. Acesso em: 11. Jan. 2021.

Publicado
2022-06-01
Como Citar
RODRIGUES, B. (2022). A luz de Tereza de Benguela não apagará: : o dito e o não-dito pelas fontes históricas. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 19(1), 494-513. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v19i1.983