A escola de saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte

apontamentos sobre a feminização do cuidado na educação profissional em saúde

  • Larissa Maia de Souza Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte https://orcid.org/0000-0002-5311-1893
  • Avelino Aldo de Lima Neto Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte
  • Jacques Gleyse Universitè Montpellier https://orcid.org/0000-0002-8459-5958
Palavras-chave: Educação Profissional em Saúde, Feminização, Cuidado, Institucionalidade, Gênero

Resumo

O artigo objetiva problematizar a institucionalidade da Escola de Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Para tanto, apresenta-se apontamentos sobre a feminização do trabalho relativo ao cuidado, bem como alguns dispositivos legais acerca da Educação Profissional em Saúde e da constituição da Escola. A investigação norteia-se na abordagem qualitativa, por meio de pesquisa documental e bibliográfica. Teoricamente, o texto se ampara no referencial teórico foucaultiano e na literatura acerca dos estudos de gênero, em diálogo com teóricos da Educação Profissional. Os resultados apontam a reiteração da norma regulatória que mantém a mulher em situação de sujeição na Educação Profissional em Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, Zenaide Neto. O Sistema Único de Saúde e as Leis Orgânicas da Saúde. In: AGUIAR, Zenaide Neto (Org.). SUS: Sistema Único de Saúde – antecedentes, percurso, perspectivas e desafios. São Paulo: Martinari, 2011.

BARREIRA, Ieda de Alencar. Primeira república: a implantação da enfermagem laica e seus desdobramentos (1889 - 1930). Enfermagem: história de uma profissão. Maria Itayra Padilha, Miriam Susskind Borenstein, Iraci dos Santos (Orgs.). São Caetano do Sul: Difusão editora, 2015.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. Disponível em: https:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituição/cosntituicao.htm. Acesso em: 25 jul. 2021.

BRASIL. Decreto nº 791, de 27 de setembro de 1890. Cria no Hospício Nacional de Alienados uma escola profissional de enfermeiros e enfermeiras. Rio de Janeiro, RJ, 1890. Disponível em: https:// www.planalto.gov.br/ ccivil_03/decreto/1851-1899/D791.htm. Acesso em: 25 jul. 2021.

BRASIL. Decreto nº 7.566, de 23 de setembro de 1909. Cria nas capitais dos Estados da Republica Escolas de Aprendizes Artífices, para o ensino profissional primário e gratuito. Rio de Janeiro, RJ, 1909. Disponível em: https:// portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/decreto_7566_1909.pdf. Acesso em: 25 jul. 2021.

BRASIL. Decreto-lei nº 8.778, de 22 de janeiro de 1946. Regula os exames de habilitação para os Auxiliares de Enfermagem e Parteiras Práticas. Rio de Janeiro, RJ, 1846. Disponível em: https:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/del8778.htm. Acesso em: 25 jul. 2021.

BRASIL. Decreto nº 5.154, de 23 de julho de 2004. Regulamenta o 20 do artigo. 36 e os art’s. 39 a 41 da Lei n0 9. 394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional e dá outras providencias. Brasília, DF, 2004. Disponível em: https:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5154.htm. Acesso em: 02 ago. 2021.

BRASIL. Lei nº 775, de 6 de agosto de 1949. Dispõe sobre o ensino de enfermagem no País e dá outras providências. Rio de Janeiro, RJ, 1949. Disponível em: https:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1930-1949/1775.htm.Acesso em: 25 jul. 2021.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1961. Disponível em: https:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/14024.htm. Acesso em: 02 ago. 2021.

BRASIL. Lei nº 5.692/71 de 11 de agosto de 1971. Fixa as diretrizes e bases para o ensino de 1º e 2º graus e dá outras providências. Brasília, DF, 1971. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/15692.htm. Acesso em: 25 jul. 2021.

BRASIL. Lei nº 7.498/86, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/lei-n-749886-de-25-de-junho-de-1986_4161.html. Acesso em: 02 ago. 2020.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial, Brasília, 19 set. 1990. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/18080.htm. Acesso em: 25 jul. 2021.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação profissional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/19394.htm. Acesso em: 25 jul. 2021.

BRASIL. Portaria Ministerial nº 381, de 07 de dezembro de 1955. Autoriza o funcionamento da Escola de Auxiliares de Enfermagem de Natal. Brasília, DF, 1955.

BRASIL. Educação Profissional: Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico – Área Profissional: Saúde. Brasília, 2000. Oferece subsídios à formulação de propostas curriculares para o nível técnico na área da saúde. Disponível em: https:// portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/saud.pdf. Acesso em: 11 set. 2020.

BIROLI, Flávia. Gênero e desigualdades: limites da democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

BOAVENTURA, Edivaldo. Metodologia da pesquisa: monografia, dissertação, tese. 1ª Ed. São Paulo: Atlas, 2007.

BUTLER, Judith. Corpos que importam: os limites discursivos do sexo. Tradução de Veronica Daminelli e Daniel Yago Françoli. São Paulo: n-1 edições, 2019.

CAETANO, Edson; NEVES, Camila. Emanuela Perreira. Relações de gênero e precarização do trabalho docente. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 9, n. 33e, p. 251–263, 2012. DleiOI: 10.20396/rho.v9i33e.8639539. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639539. Acesso em: 25 jun. 2021.

COUTINHO, Ticiana Patrícia da Silveira Coutinho, SILVA, Rosália de Fátima. A educação profissional de 1964 a 1984: a dualidade estrutural como uma realidade. In: Anais do III Colóquio Nacional, 3., 2015, Natal|. Anais eletrônicos... Natal: Editora IFRN, 2015, p 1-8. Disponível em: https: memoria.ifrn.edu.br/handle/1044/1196. Acesso em: 1 jun. 2020.

CARLOS, Djailson José Delgado. Passado e Presente: a enfermagem do Hospital Universitário “Onofre Lopes” Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2005.

¬¬¬¬¬CARLOS, Djailson José Delgado et.al. O ensino superior em enfermagem no Rio Grande do Norte: revisitando a história. Esc Anna Nery, v. 4, n. 22, p 1-8, 2018.

COSTA, Maria Carolina Xavier; LIMA NETO, Avelino Aldo. “Triste, louca ou má”: reflexões em torno de mulheres transgressoras na pós-graduação. Revista Gênero, v. 21, p. 219-243, 2020

DEPOILLY, Séverine. p. 360-380. Os “usos corretos do corpo” para mulheres na Educação Profissional: o exemplo do curso técnico em Cuidados e Serviços à Pessoa e aos Territórios. In: LIMA NETO, Avelino Aldo et al. Sexo, sexualidade e gênero na educação profissional no Brasil e na França: estudos exploratórios. Natal: IFRN; Paris: L’Harmattan, 2020.

ESTÁCIO, Mércia Maria de Santi et al. A formação profissional em saúde na rede federal de educação profissional e tecnológica. Revista brasileira da educação profissional tecnológica, v.2, n.15, p. 1-15, 2018. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index. php/RBEPT/article/view/7270. Acesso em: 21 jun. 2021.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Tradução: Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante, 2016.

FOUCAULT, Michel. À propos de la généalogie de l’éthique : un aperçu du travail en cours. In : FOUCAULT, Michel. Dits et Écris IV. Paris : Gallimard, 1994.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: A vontade de saber. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. O nascimento do hospital. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Tradução Roberto Machado. 2ª ed. Rio de Janeiro:Graal, 1979a.

FOUCAULT, M. O nascimento da medicina social. In: FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Tradução de Roberto Machado. 2ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979b.

GLEYSE, Jaques; LIMA NETO, Avelino Aldo. Uma moral “corporal” generificada nos manuais escolares franceses de moral e de higiene (1880-1974). Educar em Revista, v. 37, p. 1-22, 2021. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/75698. Acesso em: 20 out. 2021.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Pesquisa inédita traça perfil da enfermagem no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2015. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/pesquisa-inedita-traca-perfil-da-enfermagem-no-brasil#:~:text=Compartilhar%3A,auxiliares%20e%2020%25%20de%20enfermeiros.&text=O%20estudo%20foi%20realizado%20pela,Federal%20de%20Enfermagem%20(Cofen). Acesso em: 17 out. 2020.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar Projetos de Pesquisa. 5ª Ed. São Paulo: Atlas S.A., 2010.

LIMA NETO, Avelino Aldo de Lima; CAVALCANTI, N. C. S. B.; GLEYSE, Jacques. (In)visibilidades epistemológicas: considerações sobre corpo, gênero e sexualidade na Educação Profissional. Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 12, n. 19, 24, p. 16-38, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/16350. Acesso em: 17 out. 2020.

MANFREDI, Silvia Maria. Educação Profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

MEYER, Dagmar Eetermann. Gênero e educação: teoria e prática. In: corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Guaracira Lopes Louro, Jane Felipe, Silvana Vilodre Goellner (Org.). Petropolis, RJ: Vozes, 2013.

MECONE, Márcia Cristina da Cruz; FREITAS, Genival Fernandes de; BONINI, Bárbara Barrionuevo. Formação em enfermagem na Cruz Vermelha brasileira na década de 1940: uma abordagem foucaultiana. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 49, n. esp. 2, p. 60-67, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000800009. Acesso em: 13 jun. 2021

MINAYO, Maria Cecília de Souza. (org). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

MOREIRA, Almerinda. Profissionalização da enfermagem brasileira. In: Trajetória histórica da enfermagem. Taka Oguisso (Org.). Barueri, SP: Manole, 2014.

MORTARI. Luigina. Filosofia do cuidado. São Paulo: Paulus, 2018.

NASCIMENTO, Francinaide de Lima Silva. A Escola Normal de Natal: Rio Grande do Norte, 1908-1971. Natal: IFRN, 2018a.

NASCIMENTO, Francinaide de Lima Silva; MORAIS, Maria. Arisnete Câmara de. Representações da docência feminina no início do século XX. Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 12, n. 19, 24, p. 39-62, dez. 2018b.

PEREIRA, Isabel Brasil.; RAMOS, Marise Nogueira. Educação profissional em saúde. Rio de Janeiro: EditoraFIOCRUZ, 2006. Disponível em: https://static.scielo.org/scielobooks/zb2gf/pdf/pereira-9788575413180.pdf. Acesso em: 28 jun. 2021.

PEREIRA NETO, André de Faria. Ser médico no Brasil: o presente no passado. Rio de Janeiro (RJ): FIOCRUZ; 2001.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: contexto, 2007.

RAMOS, Marise Nogueira. Trabalho, educação e correntes pedagógicas no Brasil: um estudo a partir da formação dos trabalhadores técnicos da saúde. Rio de Janeiro: EPSJV, UFRJ 2010. 290 p.

RIZZOTTO, Maria Lúcia Frizon. História da enfermagem e sua relação com a saúde pública. Goiânia, 1999.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SAITO, Danielle Yuri Takauti et al. Usuário, cliente ou paciente? Qual o termo mais utilizado pelos estudantes de enfermagem? Texto Contexto Enfermagem, v.22, n.1, p. 175-83, 2013. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/tce/v22n1/pt_21.pdf Acesso em 15 out. 2020.

SANT’ANNA, Suze Rosa. et. al. A influência das políticas de educação e saúde nos currículos dos cursos de educação profissional técnica de nível médio em enfermagem. Trabalho e Educação em Saúde, v. 5 n. 3, p. 415-431,2008. Disponível em https://www.scielo.br/j/tes/a/HZggsZmgbFnMfwHcqvQ8gCQ/?lang=pt. Acesso em 15 out. 2020.

SANTOS JUNIOR, Antônio Leoni; CAVALCANTE, Ilane Ferreira. Produção do conhecimento acerca das mulheres na educação profissional. In: LIMA NETO, A. A. et al. Sexo, sexualidade e gênero na educação profissional no Brasil e na França: estudos exploratórios. Natal: IFRN; Paris: L’Harmattan, 2020. p. 252-263. Disponível em https://memoria.ifrn.edu.br/handle/1044/2053. Acesso em 22 ago. 2021.

SCOTT, Joan. Gênero, uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20 (2), p. 71-99, jul./dez. 1995. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721. Acesso em 15 out. 2020.

SILVA, R. O. “Querem matar de fome”: médicos e “bestas-feras” na dietética do Hospital de Caridade Juvino Barreto em Natal (1909-1927). Revista Ingesta, v. 2, n.1, p. 223-250, 2020. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revistaingesta/issue/view/11620/1880. Acesso em: 02 ago. 2021.

SILVA, Edilene Rodrigues da; AQUINO, Gilvania Magda Luz. A construção coletiva de um projeto político pedagógico: o caso da Escola de Enfermagem de Natal. In: Educação Profissional na Enfermagem: desafios para a construção do PROEJA. Edilene Rodrigues da Silva, Rosalba Pessoa de Souza Timóteo e Gilvania Magda Luz de Aquino (Org.). Natal, RN: EDUFRN, 2010.

SILVA, E. R.; AQUINO, G. M. L. de; GERMANO, R. M.. Do sonho à realidade: 50 anos da Escola de Enfermagem de Natal, Natal: EDUFRN, 2006.

SOARES JUNIOR, Azemar Santos. Phisicamente vigorososos: medicalização escolar e modelação de corpos na Paraíba (1913-1942). São Paulo: e-Manuscrito, 2019.

SÓRIO, Rita; LAMARCA, Isabel. Novos desafios das Escolas Técnicas de Saúde do SUS. Physis-Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 147-164, 1998. Disponível em: https://www.scielo.br/j/physis/a/nLPrDbxSsfVQLF4KmzrcyNn/abstract/?lang=pt. Acesso em: 02 ago. 2021.

SOUZA, Larissa Maia. ; LIMA NETO, Avelino Aldo. Fazendo gênero na Educação Profissional: notas epistemológicas a partir do estado de conhecimento sobre educação profissional e gênero na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (2008-2019). CADERNOS DE PESQUISA, 2019. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/13063. Acesso em: 02 ago. 2021.

TEODOSIO, S. S. S. et. al . Oscarina Saraiva Coelho: Uma história de dedicação à enfermagem. Revista Eletrônica (HERE), v. 4, p. 58-71, 2013. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-31431. Acesso em: 02 ago. 2021.

THOMAS, Julie. Diferenças e (des)igualdades: atitudes de professores/as face a diversidade de gênero nos liceus profissionais “masculinos” na França. Natal, n. 19, p. 90-126. Disponível em: https://hal.archives-ouvertes.fr/hal-02004251. Acesso em: 02 ago. 2021.

TORRES, Maria José Fernandes. A formação do técnico em enfermagem em Natal/RN: um estudo sobre a experiência da Escola de Saúde da UFRN. Dissertação (Mestrado em Educação Profissional). Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Conselho Universitário. Resolução nº 02/64 de 09 de janeiro de 1964. Natal, RN, 1964.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Conselho Universitário. Resolução nº 58/73, de 13 de agosto de 1973. Aprova a criação dos Cursos de Educação Física, Enfermagem, Arquitetura, Engenharia Química e Estatística da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, vinculados às respectivas áreas do conhecimento, deferido ao CONSEPE a fixação das vagas iniciais de cada curso. Natal, RN, 1973.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Conselho Universitário. Resolução nº 057/97 de 04 de setembro de 1997. Natal, RN, 1997.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Conselho Universitário. Resolução nº 64/99 de 16 de setembro de 1999. Natal, RN, 1999.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Resolução nº 008/15-CONSUNI, de 22 de maio de 2015. Aprova a criação da Escola de Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – ESUFRN – Unidade Acadêmica Especializada em Educação Profissional em Saúde, bem como do seu Regimento Interno. Natal, RN, 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Resolução nº 009/2019-CONSUNI, de 03 de abril de 2019. Aprova o Regimento Interno da Escola de Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – Unidade Acadêmica Especializada em Educação Profissional em Saúde, de Universidade Federal do Rio Grande do Norte. . Natal, RN, 2019. Disponível em: http://escoladesaude.ufrn.br/media/uploads/2021/02/01/regimento-interno-esufrn_resolucao-09_19_consuni.pdf. Acesso em: 28 jun. 2021.

Publicado
2021-12-14
Como Citar
Maia de Souza, L., Aldo de Lima Neto, A., & Gleyse, J. (2021). A escola de saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte: apontamentos sobre a feminização do cuidado na educação profissional em saúde. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(2), 75-99. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i2.1100