A revolta do rio do peixe e seu gesto pedagógico colonial, Minas do Serro do Frio/MG, 1711-1715

Palavras-chave: Brasil Colônia, guerra civil colonial, modernidade política

Resumo

Em torno da definição do conceito de gesto pedagógico colonial, fundamentado nas relações políticas como fenômenos de poder, autoridade e violência, buscamos a escrita justa e necessária da narrativa histórica da Revolta do Rio do Peixe (atual Alvorada de Minas/MG), acontecida nas minas do Serro do Frio (Vila do Príncipe, Serro/MG), entre 1711 e 1715. A metodologia circunscreve-se à pesquisa bibliográfica histórica, biográfica e política. Os resultados mostram a necessária atualização do léxico colonial da noção de guerra civil, desobediência civil e modernidade política, bem como os questionamentos necessários em torno dos conceitos de poder e violência, embasados em M. Foucault e H. Arendt; demonstramos como a violência, a autoridade, o poder, a desobediência civil, a vigilância e a punição, os dispositivos usados cotidianamente nas relações micromoleculares da política, foram vivenciados como dinâmicas políticas nas minas do Serro do Frio, de 1702 até 1715.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA

ANASTASIA, Carla Maria Junho. Vassalos rebeldes. Violência coletiva nas Minas na primeira metade do século XVIII. 2. ed. Belo Horizonte: C/Arte, 2012.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

ARQUIVO HISTÓRICO DO EXÉRCITO DO RIO DE JANEIRO. Carta topográfica das terras entremeyas do sertão e distrito do serro do frio com as novas minas dos diamantes – Autor Cap. Jozeph Rodrigues de Oliveyra, colorido, nanquim, tinta colorida, aquarela, papel canson telado, bom estado, medindo 67cm x 55,5cm.

BOXER, Charles Ralph. A idade de ouro do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1963.

BRISKIEVICZ, Danilo Arnaldo. A arte da crônica e suas anotações: história das Minas do Serro do Frio à atual cidade do Serro em notas cronológicas. (14/03/1702 a 14/03/2003). Porto Alegre: Revolução E-book – Simplíssimo, 2017.

CÓDICE COSTA MATOSO. Coleção das notícias dos primeiros descobrimentos das minas na América que fez o doutor Caetano da Costa Matoso sendo ouvidor-geral das do Ouro Preto, de que tomou posse em fevereiro de 1749, & vários papéis. Vol. 1. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 1999.

FONSECA, Cláudia Damasceno. Arraiais e vilas d’el rei. Espaço e poder nas Minas setecentistas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

FONSECA, José da; ROQUETE, J.-I. Diccionário da Língua Portugueza. Paris, Lisboa: Guilard, Aillaud e Cia., 1848.

FRANCO, Francisco de Assis Carvalho. Dicionário de bandeirantes e sertanistas do Brasil: século XVI-XVII-XVIII. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1989.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 6.ed. Rio de Janeiro/São Paulo, Paz e Terra, 2017.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande e senzala. 23.ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1984.

GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. Guerra dos Emboabas. In: VAINFAS, Ronaldo (dir.). Dicionário do Brasil Colonial (1500-1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2000, p. 270-272.

LEME, Luiz Gonzaga da Silva. Genealogia paulistana. São Paulo: Duprat & Comp., 1903-1905.

MIR, Luís. Estado, o maior criminoso [Entrevista]. A Nova Democracia. Ano III, n. 23, fevereiro de 2005. Disponível em: <https://anovademocracia.com.br/no-23/703-estado-o-maior-criminoso>. Acesso: 06 jul. 2020.

MIR, Luís. Guerra civil: estado e trauma. São Paulo: Geração Editorial, 2004.

PAIVA, Eduardo França. Dar nome ao novo. Uma história lexical da Ibero-América entre os séculos XVI e XVIII. As dinâmicas de mestiçagens e o mundo do trabalho. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

REGISTRO DE RESOLUÇÕES, BANDOS, CARTAS PATENTES, PROVISÕES, PATENTES E SESMARIAS 1710-1713. Revista do Arquivo Público Mineiro, 1927, p. 312 (Códice 7 da Seção Colonial do Arquivo Público Mineiro).

SCHIO, Sônia Maria. Hannah Arendt: história e liberdade (da ação à reflexão). Caxias do Sul: EDUCS, 2006.

SILVA, Dario Augusto Ferreira da. Memória sobre o Serro antigo. Serro: Typographia Serrana, 1928.

SILVEIRA, Marco Antônio. Guerra e doutrina: a historiografia brasileira e o problema da autoridade colonial. História da historiografia, Ouro Preto/MG, n. 04, março 2010, p. 178-233.

STARLING, Heloisa Murgel. Ser republicano no Brasil colônia. A história de uma tradição esquecida. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

VASCONCELOS, Diogo de. História antiga de Minas Gerais. 1º volume. 3. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.

Publicado
2021-12-17
Como Citar
Briskievicz, D. A. . (2021). A revolta do rio do peixe e seu gesto pedagógico colonial, Minas do Serro do Frio/MG, 1711-1715. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(2), 490-508. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i2.1169