ARTÍFICE DA TRADIÇÃO

MODESTO BROCOS Y GOMEZ (1852-1936) NO DEBATE SOBRE A IDENTIDADE NACIONAL

Palavras-chave: Modesto Brocos, Identidade Nacional, Crítica de Arte

Resumo

O artigo discute o lugar do pintor e professor da Escola Nacional de Belas Artes (RJ) Modesto Brocos y Gomez (1852-1936) no debate sobre a identidade da arte brasileira no final do século XIX e inícios do século XX. Evidencia os primórdios do debate sobre a arte nacional na Academia Imperial de Belas Artes e o posicionamento do pintor compostelano em sua obra escrita e pictórica, bem como as relações estabelecidas entre o pensamento do pintor, suas vinculações institucionais e apropriações pela crítica de arte. Parte da hipótese que a recepção da obra do pintor acompanha os movimentos de parte da elite intelectual brasileira e as tensões políticas que se estabelecem no final do Império e início da República.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heloisa Selma Fernandes Capel, Universidade Federal de Goiás

Docente do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Goiás. Pós -Doutoranda em História junto ao NEHAC (Núcleo de Estudos em História Social da Arte e da Cultura)/UFU, sob supervisão da Dra. Rosangela Patriota Ramos. A pesquisa conta com o apoio CAPES/FAPEG – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás.

Referências

BROCOS, Modesto. Retórica dos Pintores. Rio de Janeiro: Typ. D’A Indústria do Livro, 1933.

CHIARELLI, Tadeu. Gonzaga-Duque: a moldura e o quadro da arte brasileira (prefácio). In. Gonzaga Duque. Arte Brasileira. Campinas: Mercado de Letras, 1995.

DAZZI, Camila; VALLE, Arthur (org.). “Projeto Montenegro”: A reforma do Ensino das Artes Plásticas em 1890. 19&20, Rio de Janeiro, v. II, n. 3, jul. 2007. Disponível em: http://www.dezenovevinte.net/txt_artistas/projeto_montenegro.htm

DIAS, Elaine. Paisagem e Academia. Félix-Emile Taunay e o Brasil (1824 – 1851).Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2009.

GONZAGA-DUQUE. Exposição Brocos. In. Diario do Commercio, Quinta Feira, 11 de agosto de 1892.

HERKENHOFF, Paulo. Corpo, Arte e Filosofia no Brasil. 2007. Disponível em:www.seminariosmv.org.br/2007/textos/txt_paulo.pdf

LOTIERZO, T.H.P. Contornos do (In)Visível: A Redenção de Cam, racismo e estética na pintura brasileira do último Oitocentos. Dissertação (Mestrado em Antropologia) - São Paulo, FFLCH/USP. Departamento de Antropologia, 2013.

NOTAS SOBRE ARTE. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 7 set. 1895.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Cia das Letras, 1993.

SQUEFF, Letícia Coelho. Quando a história (re)inventa a arte: a Escola de pintura fluminense. In: Rotunda, nº 1, Campinas: Centro de Pesquisas em História das Artes no Brasil (CEPAB), Instituto de Artes, Unicamp 2003.

Publicado
2014-12-15
Como Citar
Fernandes Capel, H. S. . (2014). ARTÍFICE DA TRADIÇÃO: MODESTO BROCOS Y GOMEZ (1852-1936) NO DEBATE SOBRE A IDENTIDADE NACIONAL. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 11(2), 1-16. Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/598