Um Conto de Amor e Trevas

alegorias e metáforas do sionismo pelo olhar de Natalie Portman

Palavras-chave: Natalie Portman, Análise Fílmica, Israel, Método Documentário, A Tale of Love and Darkness

Resumo

Esse artigo é centrado na análise e interpretação do filme “Um Conto de Amor e Trevas” (2015), dirigido por Natalie Portman e baseado na obra homônima de Amós Oz. A narrative conta a história da infância de Amos, um garoto que vê a fundação do Estado de Israel pela lente da memória de sua mãe e de seu pai. Ainda que o conto em questão tenha traços da biografia de Amós Oz, é o olhar de Portman que nos guia na narrative fílmica, e a partir de sua construção cênica, constrói a imagem de dois Israels, aquele que a mãe de Amós romantiza e aquele que o pai de Amós idealiza. Na análise dessa construção visual, o método documentário de análise de imagens (Ralf Bohnsack) é utilizado, oferecendo um acesso privilegiado às estratégias discursivas visuais e aos diferentes planos de interpretação da imagem. A partir da análise de cenas selecionadas do filme de Natalie Portman, percebe-se a construção de uma Israel romântica, voltada à união dos judeus do mundo e à construção de uma comunidade quase utópica, e outra Israel realista, voltada à sobrevivência dos judeus em um ambiente cada vez mais violento, defensora de uma tradição cultural, mas também alinhada a uma lógica agressiva, especialmente em sua relação com os vizinhos árabes. O objetivo do artigo, dessa forma, é apontar como essas construções se dão na direção de Natalie Portman, em uma observação da narrative visual por ela moldada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

CONFORTI, Yitzahk. The New Jew in the Zionist Movement. In: Australian Journal for Jewish Studies. 87-118.

BATTISTINI, Matilde. Symboles et Allégories. Paris: Hazan, 2004.

BOHNSACK, Ralf. Qualitative Bild- und Videointerpretation. Opladen & Farmington Hills: Barbara Budrich, 2011.

BUBER, Martin. Eu e Tu. São Paulo: Cortez & Moraes, 1977.

BUTLER, Judith. Caminhos Divergentes, judaicidade e crítica do sionismo. Sao Paulo: Boitempo, 2017.

GIRARDET, Raoul. Mythes et Mythologies politiques. Paris: Seuil, 1986.

HERZL, Theodor. Altneuland. Leipzig; Berlin: Hermann Seemann, 1921.

IMDAHL, Max. IMDAHL, Max. Giotto – Arenafresken. Ikonographie – Ikonologie – Ikonik. München, 1988.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

OZ, Amós. De Amor e Trevas. São Paulo: Cia das Letras, 2005.

_____. Como curar um Fanático. São Paulo: Cia das Letras, 2016.

_____. Mais de uma Luz: Fanatismo, Fé e Convivência no séc. XXI. São Paulo: Cia das Letras, 2017.

SAND, Shlomo. A invenção do povo judeu: da Bíblia ao sionismo. São Paulo: Benvirá, 2011.

SIJLL, Jennifer van. Narrativa Cinematográfica. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

Publicado
2022-05-23
Como Citar
LIEBEL, V., & ROCHA Rotta, H. (2022). Um Conto de Amor e Trevas: alegorias e metáforas do sionismo pelo olhar de Natalie Portman. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 19(1), 183-203. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v19i1.930